Casual

Estilo de vida do Rio: Yes, Brazil retorna ao mercado em colaboração com AR&Co

Para reviver a Yes Brazil, Thomaz Azulay, filho de Simão, buscou nos arquivos da marca aspectos dos anos 80 como patches, brilho, tachas e jeans

Coleção da Reversa com Yes, Brazil. (Divulgação/Divulgação)

Coleção da Reversa com Yes, Brazil. (Divulgação/Divulgação)

Júlia Storch
Júlia Storch

Repórter de Casual

Publicado em 26 de abril de 2023 às 11h55.

Quando se pensa em uma marca nacional que exalta a fauna e a flora do país e o "joie de vivre" carioca, provavelmente não vem à mente a extinta Yes, Brazil. Fundada por Simão Azulay na década de 1980 e encerrada em 2006, a marca retorna ao mercado em uma colaboração com a também carioca Reversa, marca feminina da Reserva.

Para reviver a Yes Brazil, Thomaz Azulay, filho de Simão, buscou nos arquivos da marca aspectos dos anos 80 como patches, brilho, tachas e jeans.

Dentre as peças estão com calças, shorts e jaquetas, além de t-shirts, calçados e acessórios que variam entre jeans e uma estamparia exclusiva da collab, e a conhecida etiqueta laranja.

Em entrevista a Casual EXAME, Thomaz Azulay, fundador da The Paradise e Rony Meisler, fundador da Reserva e CEO da AR&Co. comentam sobre a coleção.

Como surgiu o convite para a coleção?

Rony Meisler: Queríamos resgatar clássicos de outras décadas e a Yes, Brazil foi a marca com maior sinergia com a Reversa, por seu histórico carioca e por revolucionar o mercado nos anos 80.

Thomaz Azulay: É incrível como uma marca de 40 anos atrás, que já está fora do mercado há quase 20 anos, ainda permanece atual e com uma ideologia contemporânea. O legado do meu pai influenciou o mercado como um todo, e a Reversa é um fruto desse lifestyle criado de forma muito orgânica nos anos 70/80.

Em 2019 a Yes Brazil, fez uma collab com a The Paradise. Como foi unir as referências da Reversa na marca?

RM: Passamos por um processo criativo intenso com o nosso time de Estilo e o Thomaz, queríamos resgatar todo o legado da Yes Brazil e os principais ícones dos anos 80 e criar a sinergia com a atitude da Reversa.

TA: Dividi com todo o time Reversa não só o nosso acervo de imagens e peças, como também minha visão e experiência dessa aventura chamada Yes, Brazil. E recebi de volta uma coleção cheia de emoção e desejo!

Jeans e tachas: referências dos anos 1980. (Divulgação/Divulgação)

Acreditam que há pontos em comum entre as marcas?

RONY: Com certeza, são duas marcas com características brasileiras. Além, claro, de jeans, que é o DNA das duas marcas.

TA: Acredito que essa sintonia com os desejos de agora sejam um grande ponto em comum. A Yes, nos anos 80, soube identificar o que aquela geração estava afim, e nem ela mesmo sabia!

Para qual público a coleção é voltada?

RM: Da mesma forma que a Reversa atua, a coleção conversa com o empoderamento feminino e representa a mulher que faz a diferença.

TA: Também vejo uma interseção com a Yes aqui, que é sobre pertencer e ainda assim se destacar!

Acompanhe tudo sobre:ModaRio de Janeiro

Mais de Casual

Secretos, mas nem tanto: conheça bons bares estilo speakeasy em São Paulo

O que a Hering leva para o casamento com o Grupo Azzas 2154

Trem do Pampa: novo passeio no RS oferece paisagens deslumbrantes e degustação de vinho

Mansão à beira-mar de US$ 60 milhões quer bater recorde na Flórida

Mais na Exame