Casual
Acompanhe:

As danças 'estilo TikTok' que desagradam os rivais da seleção brasileira

As danças feitas nas comemorações da vitória por 4 a 1 sobre a Coreia do Sul, incomodaram o ex-capitão do Manchester United Roy Keane, que a descreveu como desrespeitosa com o rival

O grupo Os Quebradeiras ensaiam em rua da Tijuca, no Rio de Janeiro. (AFP/AFP)

O grupo Os Quebradeiras ensaiam em rua da Tijuca, no Rio de Janeiro. (AFP/AFP)

J
Julia Storch

Publicado em 9 de dezembro de 2022, 11h29.

Última atualização em 9 de dezembro de 2022, 11h46.

Como tantos jovens, Raphael Carlos e seus amigos sonhavam em ser jogadores de futebol. E, este ano, chegaram ao Mundial do Catar, ainda que de forma inesperada: através da coreografia com que Neymar, Vinícius Junior e outros jogadores festejam seus gols, para desgosto de alguns.

"Mãozinha pra frente, pra frente ombrinho, cabeça...", com letras simples, no ritmo de funk e passos de dança "estilo TikTok", a música "Pagodão do Birimbola (Tchubirabirom)" do grupo Os Quebradeiras já havia viralizado antes da Copa do Mundo.

E caiu nas graças dos jogadores, até entrar nas comemorações da vitória por 4 a 1 sobre a Coreia do Sul na segunda-feira (5), pelas oitavas de final.

Uma atitude que incomodou mais de um, a começar pelo ex-capitão do Manchester United Roy Keane, que a descreveu como desrespeitosa com o rival.

Alegria

"Dançamos para extravasar a alegria. Qualquer coisa, já estamos dançando, quebrando tudo... já é da gente, do Brasil", explica à AFP Raphael Carlos, o "RK", um dos fundadores do grupo Os Quebradeiras, que nasceu no bairro Fonseca, em Niterói.

Seus quatro integrantes, com idades entre 18 e 23 anos, divertem-se ensaiando a dança, enquanto gravam vídeos para divulgar seus próximos "shows" na Rua Pereira Nunes, na Tijuca, decorada para a Copa do Mundo.

Vestidos de verde e amarelo, Gustavinho (Gustavo Rosa), LC (Lucas Alves), RK e Zelé (Kauan Monteiro) requebram o tronco e os quadris, com um largo sorriso.

Vista aérea da Rua Pereira Nunes, na Tijuca, enfeitada para a Copa do Mundo. (AFP/AFP)

Atrás, na parede, a caricatura de Pelé. A seus pés, outra de Vinícius Jr., com a inscrição "Dança, Vini".

A frase se popularizou depois que o atacante foi alvo de comentários racistas em setembro por comemorar seus gols dançando com seu time do Real Madrid.

O presidente da Associação Espanhola de Agentes de Jogadores de Futebol, Pedro Bravo, pediu que ele "parasse de bancar o macaco", comentário pelo qual se desculpou.

"Entranhada" na cultura

Com suas raízes africanas e indígenas, o Brasil é "constituído por povos que lidaram com o mundo dançando. Dança não só para manifestar alegria, dança como manifestação também de dor, tristeza, para celebrar o nascimento, para lamentar a morte. A expressão do corpo que baila está absolutamente entranhada nas nossas culturas", explica Luiz Antonio Simas, historiador e autor do livro "O Corpo Encantado das Ruas".

Ele acredita que a relação entre futebol e dança, duas paixões nacionais, vai além.

"A contribuição brasileira para o futebol é a ginga, a ocupação do espaço vazio. Gingar é uma maneira de dançar. Um drible é também uma expressão da corporeidade", diz.

Muito antes do TikTok, os brasileiros já eram especialistas em inventar coreografias criativas, com a ginga do axé da Bahia, ou o passinho do funk das favelas do Rio de Janeiro. Sem contar os carnavais, onde o samba sempre reinou.

"Já é natural. Você já nasce aprendendo a dançar nas festas de família, sempre toca funk, você sempre vai dançar", diz Gustavinho.

Desde muito antes de ele nascer, os jogadores brasileiros e latino-americanos comemoravam seus gols com danças em alta naquele momento, entre eles Ronaldinho, pelo Flamengo; Neymar, pelo Santos; ou Sebastián "el Loco" Abreu, no Botafogo.

"Explosão total"

Atribuir a dança a uma falta de respeito com o adversário "acho isso errado, porque a dança é algo do brasileiro, é comum aqui. Qualquer coisa, a gente faz uma dancinha, manda um passinho. Eles tem que estudar mais a cultura brasileira para entender direito como é que é aqui", alega Rosa.

Em Doha, o técnico Tite defendeu sua equipe com argumentos semelhantes.

"Não vou responder a quem não conhece a história e a cultura do Brasil, o jeito de ser das pessoas", disse Tite, que embarcou na dança para comemorar um gol espetacular de Richarlison contra a Coreia.

"A galera gosta de reclamar quando vê o outro feliz, e o brasileiro é sempre muito feliz. Então vamos sempre afetar bastante", comentou Vinícius Jr.

Os Quebradeiras esperam que a seleção continue a fazer muitas danças e que traga o hexa. E, se for para sonhar... que os jogadores convidem-nos a dançar juntos para festejar o título.

"Imagina um convite... Os Quebradeiras junto com os caras. Esquece, explosão total", diz Gustavinho.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.