'Aplaudo os esforços da Anitta para cantar em espanhol', diz CEO do Grammy Latino

Em passagem pelo Brasil, Manuel Abud, CEO da Academia conversou com Casual Exame sobre os projetos para o evento e a indústria fonográfica
Manuel Abud durante o Latin Grammy Acoustic Sessions em São Paulo. (Mauricio Santana/The Latin Recording Academy/Divulgação)
Manuel Abud durante o Latin Grammy Acoustic Sessions em São Paulo. (Mauricio Santana/The Latin Recording Academy/Divulgação)
J
Julia StorchPublicado em 26/07/2022 às 12:43.

Ainda que seja o único país da América Latina a ter o português como língua oficial, o Brasil tem grande valor no Grammy Latino. Das 49 categorias na premiação, oito são dedicadas à música brasileira. O país também já teve três escolhidos como personalidade do ano (Roberto Carlos, Caetano Veloso e Gilberto Gil) e hoje registra uma presença crescente dos artistas mais jovens.

Sob o comando do mexicano Manuel Abud, CEO da Academia, desde o ano passado, o Grammy Latino vem buscando reduzir a distância entre o Brasil e os demais países latinos. Na noite de ontem (25), Abud anunciou que Rita Lee receberá o Prêmio de Excelência Musical deste ano. A cantora paulistana será homenageada durante uma cerimônia no dia 16 de novembro em Las Vegas.

Em passagem pelo Brasil, Abud conversou com Casual Exame sobre os projetos para o evento e a indústria fonográfica.

Quais são os propósitos da sua visita ao Brasil? Esta é a primeira vez que você vem ao país como CEO da Academia, certo?

É a primeira vez que faço uma viagem internacional oficial. Então eu comecei com o Brasil. Eu vejo a Academia Latina como uma ponte. Quero trazer artistas latinos para o Brasil, além de permitir que o público brasileiro tenha uma presença mais importante na comunidade. Então é realmente aproximar a academia do Brasil e o Brasil da academia.

Na indústria da música, o Brasil está isolado da América Latina pela língua portuguesa? Qual a relevância dos artistas brasileiros na América Latina?

Bom, sabe, o que acontece é a influência do Brasil. A música brasileira está presente em quase todos os gêneros da música latina. E, sabe, podemos começar a discutir se a música brasileira deve fazer parte da música latina ou não. Eu vejo isso como uma grande tenda, se houver espaço para todo mundo estar lá. Eu cresci ouvindo música brasileira o tempo todo. Meu pai é um grande amante da música brasileira, e eu sei o quanto os músicos brasileiros são importantes e influentes para a música latina. E acho que também funciona ao contrário. Então, acho que devemos sempre tentar unir em vez de dividir.

Agora vemos, por exemplo, a Anitta cantando em espanhol e em inglês e atingindo públicos de outros países, o que poderia não acontecer se ela apenas cantasse em português.

Sempre quero pensar que a música é a linguagem universal que une. E isso soa bonito. E eu acredito nisso. Mas, no final, se você quiser se conectar com um público, é sempre mais fácil falar o próprio idioma deles. Então, eu realmente respeito quando um artista tenta se conectar com o público falando sua língua. E é por isso que aplaudo os esforços da Anitta para cantar em espanhol, para se conectar com o público de língua espanhola ou latinos que estão tentando falar português para se conectarem com a comunidade brasileira. Acho que uma coisa é se expressar e outra coisa é se conectar com o público. E eles não estão juntos o tempo todo.

No ano passado, houve um aumento de 20% de inscrições na premiação, com quase 20 mil inscrições. O que ocasionou este crescimento e como funciona o trabalho de seleção?

Todos os membros e as gravadoras submetem seus produtos ao processo. E então temos cerca de 200 ou 300 membros que nos ajudam a classificar e garantir que todos estejam em suas categorias. Não há uma avaliação de qualidade. É só ter certeza de que tudo está na categoria correta e com isso temos a primeira lista e essa lista vai para todos os membros. Então, se você for um membro votante, no final desta semana, terminamos esse processo e na próxima semana você receberá sua lista.

Ainda não sabemos qual será o número final. Serão mais de 15.000 inscrições provavelmente. Portanto, não há pré-seleção. A primeira rodada de votação nos serve como o primeiro filtro porque nessa primeira rodada de votação, nós pegamos os indicados e é aí que você fica mais restrito. E então vamos para a segunda rodada, onde os membros recebem a lista de indicados.

Gostaria que comentasse sobre a cultura do TikTok na revelação de novos artistas e se há espaço para novos artistas na premiação.

Bem, veja, seja o TikTok ou o Facebook ou o rádio e televisão no passado, para mim, são apenas maneiras de aproximar o artista do público. E obviamente é consumido de diferentes maneiras, em diferentes idades e em diferentes culturas. Eu aplaudo os esforços do TikTok ou os esforços do Facebook ou, você sabe, o rádio ou a televisão. Nosso trabalho não é realmente dar tratamento preferencial a um ou outro. Nosso trabalho é focar nos criadores e buscar maneiras de dar a eles mais oportunidades. Se for TikTok, ótimo. E tentamos ficar longe da movimentação comercial. Então, novamente, eu aplaudo toda e qualquer forma potencial de dar mais possibilidades às autoridades.

No Brasil, e acredito que em muitos outros lugares, artistas estão aparecendo por causa do TikTok. Pois é uma plataforma para aqueles que não tem acesso às gravadoras. Você acredita que estes artistas tenham relevência?

Eles provavelmente estão se conectando. E eu aplaudo isso. E lembre-se que a Academia Latina reconhece a excelência, e é a excelência julgada por nossos membros ou nossos pares. Este é um reconhecimento ponto a ponto. E, você sabe, os TikTokers do mundo podem ajudar a aumentar a conscientização, mas no final, a excelência será julgada pelos membros pelo que eles acham que é excelência ou não. Então eu acho que quanto mais metas houver, melhor. Quer dizer, nós ganhamos. Eu adoraria ver música em todos os lugares. E então é o trabalho de nossos membros decidir quem eles querem pedir por sua excelência.

Eu ouvi muito que o talento é distribuído universalmente, mas as oportunidades não. E acho que nosso trabalho é procurar maneiras de criar novas oportunidades.

No ano passado, houve algumas críticas sobre a equidade de gênero nas categorias. O que poderá ser feito para ter mais representatividade na premiação?

Esse é um ótimo tópico. E é um assunto que eu levo muito, muito a sério porque acredito que temos que tratá-lo assim. Acho que há um problema na indústria e acho que na Academia, o que estamos tentando fazer é, em primeiro lugar, começar com a adesão. A adesão precisa ser representativa da comunidade que servimos. Então, implementamos o que chamamos de 4 'g' para garantir que tenhamos representação e sejam gênero musical, gênero, geografia e geração. Então é idade, música, orientação sexual e gênero musical. E tentamos garantir que nossos membros representem todos esses quatro elementos. Agora, como eles votam, eu não posso e não quero influenciar isso. Mas o que posso fazer é tentar garantir que todos estejam devidamente representados. E na Academia Latina, sempre buscamos uma representações femininas.

E qual é a proporção de homens e mulheres na Academia?

É difícil dizer. Quer dizer, em nossa associação não sei o número exato, mas posso dizer que é muito melhor do que a indústria. Tentamos trazer cada vez mais mulheres para o nosso ecossistema. Temos maneiras de reconhecer apenas as mulheres, como trazê-las para a gestão dos comitês, minha equipe de gestão e entre os membros. Mas eu concordo com você, há um problema.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.