Trabalho flexível ajuda carreira de mulheres em tecnologia na Índia

Com a pandemia, setor de serviços de tecnologia agora permite que funcionários mudem de escritórios tradicionais para trabalhar de qualquer lugar

A pandemia de coronavírus atingiu mulheres no mundo todo com demissões e creches fechadas. No entanto, um ponto positivo começa a surgir: novas regras no setor de serviços de tecnologia da Índia, que movimenta US$ 200 bilhões, devem fornecer às trabalhadoras várias opções de trabalho flexível e oportunidades de emprego.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

Nos arredores de Nova Déli, Teena Likhari, de 45 anos, deixou o emprego como chefe de operações para o back office indiano de uma empresa do Vale do Silício em 2018, por causa de uma emergência médica familiar.

Com expectativa de voltar neste ano, ela esperava um mercado paralisado por medidas restritivas devido ao coronavírus. No entanto, a pandemia tornou o trabalho remoto uma tendência predominante em seu setor, que por muito tempo evitou essa prática.

A gerente de operações não só conseguiu rapidamente um emprego com a empresa de terceirização indiana WNS Global Services, mas, trabalhando de casa na cidade de Gurgaon, começou a supervisionar uma equipe de 100 pessoas no município de Pune, a cerca de 1.500 quilômetros.

Likhari é uma das primeiras beneficiárias da decisão para suspender restrições de décadas ao trabalho remoto em empresas de back office devido à pandemia.

O setor de serviços de tecnologia – um dos mais importantes financeiramente do país – agora permite que funcionários mudem de escritórios tradicionais para trabalhar de qualquer lugar, permanentemente se necessário.

As mulheres indianas, que muitas vezes tiveram que se sacrificar pela carreira dos maridos ou outros compromissos do lar, têm muito a ganhar com a mudança da política.

“Mesmo um ano atrás, um líder de operações trabalhando remotamente seria inimaginável”, disse Likhari, que viu muitas mulheres deixarem o trabalho após o nascimento dos filhos, casamento ou quando um membro da família adoecia. “A mudança permitirá que muitas profissionais como eu trabalhem de casa.”

A Tata Consultancy, com sede em Mumbai e quase meio milhão de trabalhadores, já se comprometeu com uma estratégia “25 até 25” – até 2025, apenas 25% de sua força de trabalho trabalhará do escritório a qualquer hora.

“Dada a flexibilidade de tempo e localização, menos mulheres desistirão depois de terem filhos”, disse NG Subramaniam, diretor de operações da Tata Consultancy, a maior empresa de terceirização da Ásia com US$ 22 bilhões em receita anual. “Mais mulheres permanecerão na força de trabalho, mais alcançarão níveis de liderança sênior.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.