A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Em negócios, promessa virou uma mentira socialmente aceita

Esvaziado em nossa sociedade, o ato de honrar compromissos assumidos é fundamental na qualidade da entrega profissional

São Paulo - Durante muitos anos, o único filme brasileiro premiado num grande festival de cinema foi O Pagador de Promessas (1962). Dirigido por Anselmo Duarte, o longa-metragem ganhou a Palma de Ouro em ­Cannes.

No roteiro, o personagem principal, Zé do Burro (interpretado por Leonardo Villar), para salvar a vida de seu amado burro, promete numa sessão de candomblé que carregará uma cruz até a catedral de uma cidade vizinha. Após ­arrastar a cruz pela estrada, Zé do Burro é barrado na porta da igreja onde cumpriria a promessa.

O padre justifica a proibição dizendo que o motivo (animal doen­te) e o local (terreiro) do juramento impedem sua rea­lização. O fim é triste, pois Zé do Burro, manipulado por vários grupos interessados em se promover à custa dele, é morto. A cena final mostra o personagem amarrado à cruz sendo levado à força para dentro da catedral.

O ponto importante aqui é um valor que definha em nossa sociedade: o ato de cumprir o que se promete. Esse valor foi sempre muito importante em nossa vida. Qualquer dúvida entre crianças e adultos era resolvida pela pergunta direta: “Você me promete?” Promessa era dívida. Quem não a cumpria criava a imagem de falso, incompetente, desleal e mentiroso.

Os tempos mudaram e, muito por culpa de nossa classe política, as promessas ficaram cada vez mais superficiais. Por serem sempre descumpridas sem remorso, foram cada vez menos cobradas. Ao observar o mundo dos negócios, podemos ver como o fenômeno da falta de credibilidade das promessas está instalado em nossa vida diária.

Discutem-se promessas de consecução de objetivos, de qualidade de produtos e serviços, de atenção com os funcionários. Prometer é hoje uma forma de terminar a conversa com uma afirmação que, por definição, não vai ser cumprida — e pior — nem cobrada. A promessa se tornou uma mentira socialmente aceita. Um horror.

Esse é um dos valores de nossa sociedade que devem ser resgatados. Precisamos valorizar nossos compromissos e ser cobrados de sua realização. Trata-se de um necessário esforço indivi­dual que tomará uma dimensão coletiva.

Outra parte importante é a cobrança. A força e a pertinência do ato de cobrar são o que motiva o pagamento da promessa. Seja mais idôneo e não ­assuma responsabilidades para desviar o assunto ou para ganhar tempo. Promessa é dívida. Cobrar é um direito.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também