• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Jovens europeus bem formados são nosso imigrante 4.0

Profissionais estrangeiros estão chegando para competir no mercado de trabalho brasileiro. Preparado para enfrentá-los?
 (Pedro Handam/EXAME.com)
(Pedro Handam/EXAME.com)
Por Luiz Carlos CabreraPublicado em 21/03/2013 16:12 | Última atualização em 21/03/2013 16:12Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - A abolição da escravatura, em maio de 1888, abriu as portas do Brasil a imigrantes italianos e espanhóis, que se somaram aos portugueses, que, mesmo depois da volta de Dom João VI para Portugal, continuavam a tentar a vida no Brasil.

Em comum, esses grupos não viam oportunidade em seus países. Também recebemos alemães, judeus, japoneses, sírios e libaneses, mas deixemos essas importantes colônias de lado neste artigo. 

O trabalho árduo, a vocação industrial, a ânsia de aprender e estudar foram as contribuições desses imigrantes à sociedade brasileira. Olhemos para a Europa hoje, especialmente para os países mediterrâneos, e vamos ver que essa falta de oportunidade para as gerações jovens é tão ou mais grave, porque sobejamente conhecida, do que aquela que assolava a Europa do final do século 19.

Com uma assustadora taxa de 50% de desemprego juvenil, não há oportunidade para jovens italianos, portugueses e espanhóis. A resposta parece ser a mesma de 120 anos atrás: emigrar. Brasil, Peru, Colômbia e Chile estão crescendo. Esses países são uma opção real para os profissionais do sul da Europa.

Neles existe um grande investimento de empresas espanholas, italianas e portuguesas. A alternativa é a África, onde há sinais de evolução econômica em Moçambique, Nigéria e Angola. Mas, cá entre nós, tentar a vida na África requer muito mais coragem do que na América do Sul.

E quem é esse imigrante do século 21? É um jovem com ótima formação acadêmica que, por estar na Europa, fala pelo menos dois idiomas além de sua língua-mãe. Como qualquer jovem do planeta, o europeu é altamente conectado.

Esse imigrante 4.0 está chegando para competir no mercado brasileiro. Ele pode suprir as deficiências na capacidade de formar em escala engenheiros e outros profissionais. Diferentemente do século 19, desta vez não é a mão de obra escrava que está sendo substituída. 

Quem precisa estar preparado para a competição é o jovem profissional brasileiro, que por ora se delicia com este raro momento de pleno emprego.

Competir com o imigrante 4.0 vai exigir muito esforço, muita dedicação, muita garra. Isso porque o imigrante 4.0, além de ser mais culto e mais bem preparado social e tecnicamente que seus ancestrais, traz uma herança de determinação para vencer, de fazer a diferença. Ele vai obrigar o brasileiro a ficar esperto para não ficar para trás. Novos tempos, velhas diferenças e história que se repetem.