Home office definitivo? Para 74% das empresas no Brasil, a resposta é sim

Pesquisa da Cushman & Wakefield aponta que, para 85% dos executivos, a experiência do trabalho remoto tem mais pontos positivos do que negativos

Depois de semanas trabalhando em casa, 73,8% das empresas pretendem instituir o home office como prática definitiva no Brasil após a pandemia do novo coronavírus. Essa é a conclusão de um estudo realizado pela consultoria Cushman & Wakefield – e obtido pela EXAME com exclusividade – que ouviu 122 executivos de multinacionais que atuam no país.

O curioso é que antes do isolamento social 42,6% das empresas nunca tinham adotado a prática e, em 23,8% das companhias, o home office não passava de uma possibilidade em análise.

O intuito em autorizar o home office mesmo após a pandemia se explica pela avaliação favorável à prática. Para 25,4% dos entrevistados, a experiência do trabalho remoto é totalmente positiva, enquanto para 59% há mais pontos positivos do que negativos.

Apenas 2,5% dos executivos ouvidos disseram que a experiência é totalmente negativa e outros 13,1% afirmaram que há mais pontos negativos do que positivos.

Essa mudança no mercado de trabalho pode ter implicações diretas no mercado imobiliário. Segundo 29,5% dos executivos, a empresa deve reduzir o espaço físico no futuro por conta do sucesso do home office, enquanto outros 15,6% apontaram que a diminuição deve ocorrer por questões econômicas relacionadas à pandemia.

Nos dois casos, a redução deve ser de 10% a 30% do total de metros quadrados. Por sua vez, 35,2% dos entrevistados disseram que ainda não é possível definir se vão mudar algo nos escritórios, e somente 19,7% cravaram que não haverá redução de espaço físico no futuro.

home office Home office: antes do isolamento social 42,6% das empresas nunca tinham adotado a prática

Home office: antes do isolamento social 42,6% das empresas nunca tinham adotado a prática (Hero Images/Getty Images)

O novo cenário, no entanto, não deve impactar o valor dos aluguéis. Ao menos, no curto prazo. Isso porque os contratos têm duração média de três anos, e a pressão pontual nos preços não costuma levar a renegociações.

“Só agora estamos recuperando o patamar de preço da época pré-crise de 2014, e os lançamentos recentes estão com valor de metro quadrado mais alto nas regiões mais privilegiadas”, afirma Jadson Andrade, gerente de pesquisa de mercados da Cushman & Wakefield. “Mas se a crise se aprofundar, podemos ver devolução de espaços a partir do ano que vem.” Hoje, a vacância de lajes corporativas de alto padrão na cidade de São Paulo está na faixa de 16%, enquanto na cidade do Rio de Janeiro é de 33,9%.

A pesquisa da Cushman & Wakefield também quis saber se houve impacto da quarentena em projetos de locação ou de reforma em novos escritórios. Segundo 12,3% dos entrevistados, houve interrupção nos planos devido à adoção da política de home office, enquanto 17,2% disseram que a paralisação se deu por outros motivos.

Na outra ponta, 14,8% dos tomadores de decisão garantiram que não houve interrupção e que o plano de locação e/ou obra se mantém. A maioria, no entanto, disse que não houve qualquer impacto, pois não havia plano em curso. 

Veja outras notícias sobre home-office na quarentena

Empresa manda pizza e jantar para estimular funcionários no home office

Quando voltar ao escritório? As decisões das empresas sobre home office

Por que é tão difícil acordar cedo para trabalhar quando está frio?

Como liderar equipes (subitamente) remotas durante uma crise

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.