• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Está frustrado? Isso pode ser ótimo para sua carreira

Especialistas afirmam que momentos difíceis na carreira nem sempre são sinal de fracasso profissional
 (Thinkstock/grinvalds)
(Thinkstock/grinvalds)
Por Fernando PivettiPublicado em 07/02/2017 06:00 | Última atualização em 07/02/2017 06:00Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Ao longo da vida profissional, não são todos os momentos em que a nossa carreira vai de vento em popa. Entre promoções, projetos e demissões, os altos e baixos vão acontecer e é melhor estar preparado para aproveitar as oportunidades e aprender com os momentos de crise.

Segundo a orientadora de carreira Adriana Gomes, é incorreto pensar que um momento ruim no trabalho necessariamente signifique um sinal de fracasso. Para ela, a frustração é um sentimento natural e faz parte do amadurecimento de qualquer profissional.

“Muitas pessoas que hoje são experientes e bem-sucedidas tiveram fracassos na carreira. Nessa hora, não se frustrar não vai ajudar a solucionar os problemas. É necessário compreender de alguns projetos podem não ter sucesso, mas isso é algo natural e faz parte do processo de crescimento”.

Adriana afirma que a melhor maneira de lidar com momentos difíceis da carreira é buscar aprender com os erros. “Quando recebemos um “não” do chefe é importante aproveitar essa oportunidade para fazer uma autoavaliação e sempre tentar melhorar, buscando o crescimento na carreira”, completa.

 Chefes também são importantes nesses momentos. Segundo ela, o gestor deve buscar sempre o melhor desempenho dos seus colaboradores sem esquecer de ajudá-los a corrigir seus erros. “Todo mundo erra e o gestor tem o papel de condicionar para onde seus funcionários estão caminhando, dando feedbacks constantes. Para o trabalhador, o pior é nunca receber um não e depois ser demitido sem saber o porquê”, ressalta.

O mestre em neuropsicologia Eduardo Shinyashiki afirma que escutar críticas é um ótimo exercício para melhorar o desempenho no trabalho. Ele afirma que pedir sugestões e dicas de amigos e colegas de profissão é um importante caminho para evoluir.

“Às vezes estamos tão envolvidos com o seu trabalho que não percebemos nossas falhas. É muito positivo quando a pessoa tem a força e o desapego para se autoavaliar, criar e transformar alguma coisa dentro da carreira”, completa Shinyashiki.

Hora de se renovar?

Eduardo Shinyashiki afirma que o momento ideal para investir na nossa carreira é quando as coisa vão bem. “O profissional que busca se aperfeiçoar constantemente num momento de crise vai estar preparado e qualificado para enfrentar as dificuldades”.

Para os desesperados que pulam de uma profissão a outra com facilidade, a orientadora Adriana Gomes lembra que nas horas difíceis a última coisa que se deve fazer é buscar mudanças radicais. “Não se muda de carreira como quem muda de camisa. Nossa carreira é um reflexo de um esforço muito grande que fizemos ao longo da nossa história e às vezes não se trata de estarmos na carreira errada, mas no lugar de trabalho errado”, alerta.

Autoavaliação

Mesmo quando a carreira vai bem, é essencial que o profissional esteja em constante processo de autoavaliação. “Todos os dias devemos nos perguntar como podemos ir além. É necessário assumir esse compromisso de se tornar melhor do que fomos ontem”, completa Shinyashiki.

O neuropsicólogo afirma que existem duas posturas quando se fala em futuro na carreira. “Uma delas é determinada e focada e a outra é passiva”. O risco da apatia, diz, é que pessoas que não estabelecem um objetivo na carreira recebem notícias negativas como uma condenação profissional. “Nossa postura deve ser de constante aprendizado. Devemos sempre pensar: onde quero estar daqui a cinco anos?”.

Segundo ele, as nossas conquistas e falhas sempre partem de nós e não dependem de terceiros. Transformar pontos fracos em pontos fortes e estar constantemente em processo de evolução é a chave para construir uma carreira sólida.

Veja Também