Quando uma porta se fecha na pandemia, outras janelas se abrem

Especialista em comunicação digital analisa a expansão do e-commerce para sobrevivência dos negócios durante a crise do coronavírus

A pandemia chegou e pegou todos de surpresa. O monstro invisível do coronavírus abalou todos os alicerces da sociedade, e a base econômica foi um dos pilares que mais tremeram.

No Brasil, essa pane instaurada no início do primeiro trimestre trouxe várias mudanças de comportamento, a ponto de um pequeno termo estrangeiro se aportuguesar e rapidamente ditar as novas regras do comércio: lockdown. A ordem era baixar as portas, ou melhor, fechar as portas.

Escolas, shoppings centers, academias, comércios locais e vários outros ramos de atividades tiveram, quase instantaneamente, que mudar as formas de exercerem suas atividades por conta de decretos estaduais e municipais.

Não havia quase ninguém nas ruas. E o que vagava era uma grande pergunta: e agora como fechar negócios num cenário onde o sorriso foi encoberto por máscaras e o tradicional aperto de mão virou sinônimo de falta de educação?

Neste momento, a internet, como boa amiga e vilã, surge com toda a sua permissividade e possibilita feitos até então impensáveis. Home office e reuniões virtuais foram saídas encontradas por boa parte das empresas, algo que fez grandes corporações repensarem seus modelos de negócio.

Por outro lado, os pequenos e médios empresários, acostumados com o atendimento presencial da clientela em seus estabelecimentos, tiveram que usar outras formas para alcançar e atender seus clientes. Instagram, Facebook e Google foram canais que se tornaram as principais ferramentas de vendas para essas empresas, num cenário onde o isolamento social revelou para o consumidor que era possível comprar tudo on-line.

A mudança foi tão rápida que, de acordo com artigo publicado pelo Google (“Décadas em semanas: a migração do consumo brasileiro para o digital”), em setembro deste ano, a pandemia, em algumas semanas, acelerou as empresas digitalmente o que estava previsto para as próximas décadas.

É claro que esse processo também se deve ao fator criativo do brasileiro e à sua capacidade de se reinventar, como é o caso do Magazine Luiza, que lançou o Parceiro Magalu, projeto que permite ao pequeno empresário vender de forma autônoma pela internet os produtos da Magazine ou montar sua própria loja virtual utilizando a tecnologia cedida pela varejista.

Como toda crise, a pandemia nos deixa uma lição, que não devemos ignorar: mesmo enfrentando as piores adversidades, temos de olhar para a frente, ter resiliência e trabalhar para virar o jogo.

E é nessas horas que a gente se lembra do velho e famoso ditado: quando uma porta se fecha, uma janela se abre. Mas, tratando-se da internet, eu diria “outras janelas se abrem”.

 

* Analista de mídias sociais da FSB comunicação

 

Assine os Boletins da Bússola

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

Mais da Bússola:

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.