Testes de coronavírus são entrave na negociação para reabertura em SP

Obrigação de fazer testes contra coronavírus nos funcionários tem sido entrave nas negociações para reabertura de São Paulo após a quarentena

A cidade de São Paulo negocia protocolos de reabertura comercial com 50 setores da economia, mas já enfrenta entraves de ordem financeira para conseguir dar fôlego a empresários e trabalhadores sem colocar em risco a capacidade do sistema de saúde de atender pacientes com a covid-19.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio) é uma das participantes da negociação. A entidade divulgou comunicado nesta terça-feira, 2, detalhando parte das sugestões à cidade, mas destacou o posicionamento contrário a uma das principais medidas solicitadas pela gestão Bruno Covas (PSDB): que o setor privado faça testes de covid em seus funcionários.

 

“A federação enviou ofício (à Prefeitura) questionando o ônus da realização de testes laboratoriais para covid-19 ao setor privado, tal como proposto no decreto publicado pela Prefeitura de São Paulo, uma vez que o empresariado já passa pela crise e tem tido dificuldade de manter os negócios”, diz o texto.

Entre as medidas que a Fecomércio entende ser possível acatar estão “uso de equipamentos de proteção por funcionários e clientes; oferta de álcool em gel e cartilha com as diretrizes sanitárias; distanciamento social de 1,5 metro; orientação para que não haja contato físico; horário de atendimento diferenciado para grupo de risco; restrição de viagens de negócios; proibição de eventos em larga escala; separação de lixo com potencial de contaminação; restrições aos serviços de valet nos estacionamentos, dentre outras”, ainda segundo o documento.

A Prefeitura foi questionada pelo Estadão sobre o ofício, mas não respondeu. Deve divulgar amanhã balanço dos três primeiros dias de negociações com a iniciativa privada para definir a retomada, e há possibilidade de anunciar as datas da reabertura. Técnicos das áreas de Saúde e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho deveriam enviar entre ontem e hoje respostas às propostas já apresentadas, para a finalização dos protocolos ainda nesta quarta.

A capital está na etapa laranja (fase 2) do plano de reabertura do governo do Estado. O setor de bares e restaurantes, que não pode reabrir na atual fase (mantém apenas delivery), tem dois pleitos em negociação: que bares possam colocar mesas nas calçadas da frente dos estabelecimentos para garantir distância entre os clientes e os comerciantes sejam isentos da taxa do Termo de Permissão de Uso (TPU), paga anualmente por quem usa as calçadas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.