Por que Dilma e Aécio aumentaram os ataques no 2º turno

Para especialistas, Dilma e Aécio estão em busca de última cartada para definir a eleição

São Paulo - A reta final das eleições se aproxima. Com isso, a carga dos ataques pessoais entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) tem ficado mais pesada, como ficou claro no debate de ontem, no SBT. Segundo o especialista em marketing político Carlos Manhanelli, o objetivo das acusações é evidente: acertar o “soco decisivo”, que vai definir as eleições.

“Eles estão procurando a Miriam Cordeiro dessa campanha”, afirma. Miriam Cordeiro é uma ex-namorada de Lula que foi usada na campanha de 1989 pelo então candidato à presidência Fernando Collor. Miriam apareceu no programa eleitoral de Collor na última semana, e deu um depoimento dizendo que o petista pediu que ela fizesse um aborto. Como todos sabem, o ataque funcionou e Collor levou a eleição.

No entanto, Manhanelli ressalta que o efeito de cartadas como essa é imprevisível. Deu certo com Collor, mas deu errado com Marta Suplicy. Na campanha pela prefeitura de São Paulo em 2008, a petista perdeu para Gilberto Kassab.

“Quando a Marta insinuou que Kassab era homossexual, isso se virou contra ela. Ataques como esse têm que ser feitos com muito cuidado”, afirma.

A fase de desconstrução do adversário é a última de uma campanha eleitoral. O consultor político Gilberto Musto explica que toda campanha passa por três estágios: no primeiro, os candidatos são apresentados ao eleitor; no segundo, eles mostram suas propostas de governo.

No terceiro estágio, que em geral coincide com o segundo turno, é hora de tentar manchar a imagem do adversário.

Esses ataques não são privilégio das campanhas eleitorais brasileiras, afirma Musto. “Uma pesquisa feita nos EUA mostrou que lá 66% do tempo de campanha é usado em acusações, principalmente na fase final”, diz.

Segundo o consultor, o eleitor disputado por esse fogo cruzado é aquele chamado de flutuante. “Os candidatos estão disputando o eleitor que se decidiu há pouco tempo e que ainda pode mudar de ideia”, explica.

Outro alvo dos candidatos neste momento são os indecisos e aqueles que por algum motivo deixaram de votar no primeiro turno, lembra Manhanelli.

O especialista afirma, porém, que essa não é a melhor forma de conquistar o eleitorado. “As pesquisas mostram que essa tática não está tendo efeito. Acho que eles deveriam tentar um debate mais ideológico”, avalia.

Já Musto acredita que a pancadaria é inevitável. “Não tem como fugir disso. Se um dos candidatos resolver dar uma de bonzinho, será engolido”, afirma. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também