Acompanhe:

PGR: União deve fornecer medicamentos para portadores de diabetes 1

Esses tipo da doença é de difícil controle e, por isso, os pacientes não se adaptam às insulinas tradicionais, alerta a Procuradoria

Modo escuro

Continua após a publicidade
Raquel Dodge: Dias Toffoli, suspendeu a obrigação da União de fornecer os medicamentos Glardina e Detemir a pessoas com diabetes e a PGR enviou recurso contra a decisão (Cleia Viana/Câmara dos Deputados/Divulgação)

Raquel Dodge: Dias Toffoli, suspendeu a obrigação da União de fornecer os medicamentos Glardina e Detemir a pessoas com diabetes e a PGR enviou recurso contra a decisão (Cleia Viana/Câmara dos Deputados/Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 22 de fevereiro de 2019 às, 13h59.

São Paulo - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra decisão liminar do presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, que suspendeu a obrigação da União de fornecer os medicamentos Glardina e Detemir a pessoas com diabetes melittus tipo 1. Esses tipo da doença é de difícil controle e, por isso, os pacientes não se adaptam às insulinas tradicionais, alerta a Procuradoria.

A PGR pede que a decisão de Toffoli seja reconsiderada ou levada para análise do Plenário, e lembra que na primeira e segunda instâncias houve determinação - em caráter liminar - para que a União fornecesse os medicamentos. As informações foram divulgadas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria

"Do Supremo Tribunal Federal espera-se, por fim, em sede recursal, provimento que afaste a suspensão indevida, contrária à ordem jurídica e à saúde pública, tendo como fundamentos o princípio da dignidade humana e o direito à vida, que devem se sobrepor, em casos como o examinado, aos interesses econômicos do ente público condenado em primeira e segunda instâncias", destaca a PGR em um trecho do recurso.

Uma das alegações da União para se livrar da obrigação de fornecer os medicamentos foi o "risco de grave comprometimento à economia, saúde e ordem pública".

Raquel Dodge se insurge contra essa argumentação. Para ela, a manutenção da decisão oferece mais riscos de atingir a ordem constitucional do que os possíveis danos econômicos pela União.

Segundo a procuradora-geral, o objetivo da ação civil pública foi o de garantir o respeito ao direito fundamental das pessoas portadoras de Diabetes Melittus tipo 1, e está amparado na Carta Magna.

"Os artigos 196 e seguintes da Constituição estabelecem a saúde como direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação", pondera.

No recurso, a União também ressaltou que houve "intervenção indevida do Poder Judiciário na esfera discricionária de atuação da administração pública". No entanto, a PGR afirmou ser "justificada essa intervenção para que a omissão do poder público seja corrigida".

Raquel Dodge foi enfática ao afirmar que não existe discricionariedade quando o que se está em jogo é o respeito dos direitos fundamentais dos cidadãos. Ela afirmou que a ação do Judiciário, neste caso específico, vai ao encontro da defesa dos direitos constitucionais.

Ressaltou, ainda, que o Judiciário não está tentando obrigar o Estado a formular política púbica, mas fazendo com que sejam cumpridas as obrigações existentes.

"Quando há dever do Estado descumprido, em especial em área tão cara como a de que tratam os autos, é plenamente justificada a intervenção do Judiciário, para correção do que segue contra a normatização em vigor, sanando omissão injustificável do Poder Público", argumentou a chefe do Ministério Público Federal.

Em sua avaliação, a suspensão da liminar concedida à União é medida protetiva, "a ser proferida em favor de um grupo vulnerável que necessita de atuação efetiva e urgente do poder público".

Últimas Notícias

Ver mais
Lula reitera a chanceler russo disposição do Brasil de colaborar para um acordo de paz na Ucrânia
Brasil

Lula reitera a chanceler russo disposição do Brasil de colaborar para um acordo de paz na Ucrânia

Há 6 horas

Mortes de Ianomâmis em 2023 superam 2022 e governo anuncia hospital exclusivo para indígenas
Brasil

Mortes de Ianomâmis em 2023 superam 2022 e governo anuncia hospital exclusivo para indígenas

Há 6 horas

Após tomar posse no STF, Dino diz que vai atuar com isenção e defende harmonia entre os Poderes
Brasil

Após tomar posse no STF, Dino diz que vai atuar com isenção e defende harmonia entre os Poderes

Há 7 horas

PF prende três homens por suspeita de ajudar os dois fugitivos do presídio federal de Mossoró
Brasil

PF prende três homens por suspeita de ajudar os dois fugitivos do presídio federal de Mossoró

Há 8 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais