PCC domina Cracolândia e cobra R$ 80 mil por ponto de venda

As investigações já feitas rastrearam 34 barracas instaladas na Alameda Dino Bueno que vendem crack ao ar livre

O Primeiro Comando da Capital (PCC) implementou um modelo semelhante ao da concessão de franquias para comandar o tráfico de drogas na Cracolândia, no centro de São Paulo.

A estimativa da polícia é de que a venda de crack movimente R$ 8 milhões por mês, com 19 quilos da droga comercializados por dia.

De acordo com informações da Polícia Civil, os criminosos vendem um ponto de tráfico com a garantia de que o "franqueado" vai comprar crack exclusivamente da facção criminosa, que fica com parte dos lucros.

Em troca, oferece o produto e a segurança do local. O preço de cada ponto gira em torno de R$ 70 mil a R$ 80 mil.

O jornal O Estado de S. Paulo apurou que as investigações já feitas rastrearam 34 barracas instaladas na Alameda Dino Bueno que vendem crack ao ar livre.

Cada uma conta com uma mesa e três traficantes para comercializar a droga.

Como estratégia, os criminosos utilizam os usuários de drogas como escudo para bloquear uma eventual ação da polícia.

Na mesa, são colocados pequenos pedaços de crack, enquanto as porções maiores ficam escondidas nos prédios próximos.

Os investigadores estimam que atualmente 800 pessoas consumam crack na região.

Os números mostram que houve um aumento significativo de venda de droga em menos de um ano.

Em agosto de 2016, o Departamento de Narcóticos (Denarc) fez uma operação na Cracolândia e prendeu 32 traficantes e apreendeu armas pesadas, como fuzis e metralhadoras.

Na época, haviam 18 barracas e 10 quilos de crack eram vendidos por dia, movimentando R$ 4 milhões por mês.

Imagens gravadas por câmeras de segurança da Guarda Civil Metropolitana (GCM) e também por policiais infiltrados entre os usuários mostram que agora os traficantes estão usando armas pesadas, como submetralhadoras, e não fazem questão de escondê-las.

Na quarta-feira, um rapaz foi flagrado com a arma em punho no cruzamento da Rua Helvétia com a Alameda Dino Bueno - considerado o ponto principal da Cracolândia.

As imagens mostram ele atirando na direção de algumas pessoas que estavam no local.

Sequestro e morte

Na quarta-feira, a polícia confirmou que Bruno de Oliveira Tavares, de 34 anos, funcionário de uma empresa especializada em remoção clínica e psiquiátrica, foi morto após ter sido sequestrado, torturado e mantido em cárcere privado na Cracolândia.

Segundo as investigações, ao ser abordado por traficantes, ele teria dito que era do Comando Vermelho (CV), facção fluminense rival do PCC, e teve a morte decretada pelo chefe da Cracolândia. Ele portava uma identificação de bombeiro.

Também na quarta-feira, um assalto terminou em novo confronto na região. Dois pedestres tiveram os celulares roubados e avisaram a GCM.

Os guardas perseguiram e prenderam quatro suspeitos no meio dos usuários de drogas e foram encurralados. Na sequência, uma pessoa foi baleada, um ônibus, sequestrado e lojas, saqueadas.

Prefeitura

Na quinta, ainda repercutindo o confronto da quarta-feira, o prefeito João Doria (PSDB) voltou a prometer que "a Cracolândia tem prazo final para acabar" e disse que isso ocorrerá "muito em breve".

"Nada vai precipitar ações e não faremos de maneira atabalhoada. Essas experiências do passado não funcionaram."

O prefeito afirmou que "será uma ação definitiva, bem estruturada e planejada".

"São 22 áreas de atuação. São quase cinco meses de trabalho já completados para que se produza o resultado desejado e São Paulo possa viver com tranquilidade sem a presença da Cracolândia."

Doria prometeu ainda que a ação será "não só da segurança" e dará acolhimento aos dependentes da área.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.