Não é só SP: outras capitais registram aumento de internações por covid-19

Cidades como Curitiba e Florianópolis decidiram adiar cirurgias eletivas para deixar leitos de UTI reservados a novos pacientes com o coronavírus

A cidade de São Paulo registra um aumento no número de internações por covid-19 desde a última semana. De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde, a média diária de internações em leitos de enfermaria e de UTI está em 651 na região metropolitana da capital paulista, maior valor em dois meses.

Mas não é só a maior cidade do país que registra o avanço do coronavírus. Outras capitais, como Rio de Janeiro, Curitiba e Florianópolis, também contabilizam o aumento no número de internações em hospitais.

Em Curitiba, a secretária de Saúde, Márcia Huçulak, solicitou que as cirurgias eletivas fossem suspensas desde a terça-feira, 17, em hospitais públicos e privados que atendem pelo SUS. A suspensão é temporária, mas não há uma data para retomada dos procedimentos.

“É possível que tenhamos um aumento de internações na próxima semana. A medida é de precaução para destinarmos um pouco mais de leitos e ninguém ficar sem assistência”, disse a secretária.

Cirurgias eletivas são aquelas marcadas com antecedência, não urgentes. Adiar uma cirurgia significa destinar leitos e cuidados hospitalares para as emergências impostas pelo novo coronavírus.

A taxa de ocupação de leitos de UTI SUS exclusivos para a covid-19 na cidade está em 78%, com apenas 61 leitos livres, segundo dados mais receitas da prefeitura.

Florianópolis também adotou a medida de adiar cirurgias eletivas. Dos 30 leitos reservados no Hospital Florianópolis, referência para covid-19 na cidade, apenas quatro estavam disponíveis na terça-feira. O Hospital Celso Ramos está com lotação de 95% na UTI.

A taxa de ocupação de leitos na capital catarinense está em 84%, com apenas 14 disponíveis na rede do SUS.

O Rio de Janeiro é outra capital que enfrenta o mesmo problema. No último fim de semana, a ocupação de leitos de UTI para covid-19 na rede SUS do Rio era de 78%. O dado mais recente, da terça-feira, 17, mostra que a ocupação subiu para 80% na cidade, considerando os hospitais municipais, estaduais e federais.

Preocupação com segunda onda

Muitas especialistas em saúde dizem que este crescimento nas internações coincidiu com duas semanas após o feriado de Finados, em que várias aglomerações foram registrada pelo país. A covid-19 normalmente se manifesta em até 14 dias após a exposição com o vírus.

Ainda não dá para afirmar se é o começo de uma segunda onda, mas autoridades de saúde estão preocupados com a possibilidade. Na semana passada, o secretário da Saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, alertou para o aumento de infecções pelo coronavírus em encontros sociais, como reuniões familiares.

“A quarentena continua, precisamos estar atentos aos rituais da pandemia. Cumprimentos, como abraços e apertos de mão, continuam proibidos. E não é o que temos visto. As pessoas estão se aproximando e com elas o próprio vírus. O normal só vai acontecer após a vacina”, disse.

A médica infectologista do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, Rosana Richtman, diz que o vírus ainda está circulando e uma segunda onda não está descartada.

“A gente precisa ficar atentos e alertas. Uma grande parte da população ainda não está imune e cansada das medidas de restrição. Elas estão se encontrando, fazendo festa e temos a possibilidade de uma segunda onda”, diz.

(Com Estadão Conteúdo)

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.