MP Eleitoral sugere a Aras investigação criminal sobre eleições

Representação traz nome de deputados federais, potencialmente envolvidos com campanha de desinformação

O vice-procurador-geral eleitoral Renato Brill de Góes, encaminhou na sexta-feira, 20, à Procuradoria-Geral da República uma representação da SaferNet Brasil sobre a campanha de desinformação e o ataque cibernético sofrido pelo Tribunal Superior Eleitoral no primeiro turno das eleições municipais. Goés viu indícios de delitos de natureza criminal no relato feito pela entidade parceira do Ministério Público Federal e destacou que na representação houve menção a nomes de deputados federais, que têm foro por prerrogativa de função junto ao Supremo Tribunal Federal.

No despacho enviado a Aras, Brill de Góes lembra que a Polícia Federal já abriu inquérito para apurar suposto crime cibernético e o vazamento de dados do TSE, mas destacou que cabe à Procuradoria-Geral da República investigar a suposta campanha de desinformação, em razão do suposto envolvimento de deputados federais.

“Não vislumbro a ocorrência de ilícitos eleitorais, mas potencialmente de ilícitos que deverão ser julgados pela Justiça Federal, caso comprovados, em razão do interesse da União, já que o objeto da campanha de desinformação é a Justiça Eleitoral” conclui o vice-PGE no despacho.

As informações foram divulgadas pela PGR.

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.