Mendes diz que Lava Jato não pode operar cometendo crimes

Mendes disse recentemente à mídia que alguns procuradores envolvidos na Lava Jato deveriam ser eles mesmos investigados pela própria operação

Rio de Janeiro - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes afirmou nesta sexta-feira que não é contra a operação Lava Jato, que investiga um bilionário esquema de corrupção no país, mas ressaltou que não se pode combater ilegalidades cometendo crime, em referência a possíveis excessos da operação.

“Não sou contrário à Lava Jato, pelo contrário. Eu tenho defendido as investigações e têm sido decisivas para a mudança do Brasil, mas devemos observar os parâmetros legais”, disse o magistrado a jornalistas durante visita a Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Mendes disse recentemente à mídia que alguns procuradores envolvidos na Lava Jato deveriam ser eles mesmos investigados pela própria operação, se referindo a suposto vazamento por procuradores de dados das negociações de delação premiada do ex-presidente da OAS José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, supostamente citando o ministro do STF Dias Toffoli.

De acordo com Mendes, o vazamento da suposta citação a Toffoli, que já foi negada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pode ter partido de dentro da própria Lava Jato.

"Não se combate crime cometendo crime... tem que evitar abusos, excessos, e qualquer tipo de constrangimento ilegal”, afirmou o ministro do Supremo.

Na segunda-feira, a Procuradoria-Geral da República anunciou que encerrou as negociações com o ex-presidente da OAS que visavam a um acordo de delação no âmbito da Lava Jato.

O ministro Gilmar Mendes, que é o atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), disse ainda em Duque de Caxias que vai pedir ajuda da Polícia Federal na investigação de casos de atentados e ataques a candidatos a prefeito e a vereador em cidades brasileiras para a eleição de outubro.

Nos últimos meses foram registradas na Baixada Fluminense ao menos 13 ocorrências desse tipo, inclusive com a morte de alguns candidatos. Mendes revelou que pediu ao Ministério da Justiça para que a PF ajude a investigar incidentes eleitorais.

“A PF é o braço policial judicial, e pela sua técnica e função pode ser competente nas investigações em todo o país”, afirmou o ministro. “Tem casos que são de segurança e não obrigatoriamente eleitoral“, acrescentou.

Já está definido que as Forças Armadas vão atuar nas eleições municipais no Estado do Rio de Janeiro a pedido do governo estadual, e a Baixada Fluminense deve receber uma atenção especial das forças de segurança no pleito de outubro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.