MEC prioriza método fônico em projeto para alfabetização

Grupos de especialistas acreditam, porém, que essa é uma visão limitada e mecânica

São Paulo - Minuta de decreto elaborado pelo Ministério da Educação (MEC) indica que a alfabetização no país deverá priorizar o método fônico, aquele em que as crianças precisam identificar os segmentos de som que formam uma palavra. Grupos de especialistas acreditam, porém, que essa é uma visão limitada e mecânica. A reportagem teve acesso ao texto do decreto, não publicado, que também inclui a família como um dos "agentes do processo de alfabetização".

A Política Nacional de Alfabetização foi uma das medidas consideradas prioritárias pelo governo de Jair Bolsonaro para os primeiros cem dias de governo. A minuta de decreto foi entregue no fim do mês passado à Casa Civil, que fez críticas ao texto por considerar que não há detalhes de como a política será executada.

Segundo a proposta, um dos objetivos é fundamentar programas e ações a partir de cinco pilares: "consciência fonêmica, instrução fônica sistemática, fluência em leitura oral, vocabulário e compreensão de texto". Há também orientação para que crianças da educação infantil (0 a 5 anos) tenham "ensino de habilidades fundamentais para a alfabetização, como consciência fonológica, consciência fonêmica, conhecimento alfabético". As diretrizes ainda incluem "desenvolvimento de habilidades de matemática básica, como contagem nos dedos e contagem verbal".

O texto deixa claro que Estados e municípios que aderirem à política receberão "assistência técnica e financeira" da União, mas não indica de que maneira pode ser colocada em prática. O documento é uma expressão da briga que se instaurou no MEC entre os seguidores do guru dos bolsonaristas, Olavo de Carvalho, e os integrantes de perfil técnico. A disputa tem enfraquecido o ministro Ricardo Vélez Rodríguez.

Disputa

Segundo fontes, o secretário de Alfabetização, Carlos Francisco Nadalim, foi um dos que pressionou para que o método fônico fosse evidenciado. O grupo técnico defendia que o MEC estimulasse discussões no Conselho Nacional de Educação (CNE), com especialistas, para se elaborar depois uma lei sobre o assunto. A atual secretária da Educação Básica, Tânia Almeida, e o ex-secretário executivo do MEC Luiz Antonio Tozi chegaram a declarar em evento para educadores, no mês passado, que não haveria indicação de método nenhum pelo governo. Tozi foi demitido a pedido de Bolsonaro, depois de virar alvo de "olavistas".

Antes de assumir um posto no MEC, Nadalin comandava uma pequena escola em Londrina e divulgava seus livros pela internet sobre como os pais devem educar os filhos. Ele teria, até mesmo, pedido que suas obras fossem incluídas na política de alfabetização, o que foi refutado pelo grupo técnico.

Os "olavistas" também não concordam com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que foi aprovada em 2017 e dá as diretrizes para a alfabetização do País, sem indicar apenas um método. A BNCC enfatiza ainda que o eixo da educação infantil deve ser "as interações e a brincadeira" e não a alfabetização.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.