MEC elimina 1.522 candidatos do Enem por suspeita

Segundo o ministro Aloizio Mercadante, são casos que vão de uso de telefone celular no dia do exame a tentativa de entrar com ponto eletrônico no local de prova

São Paulo - O Ministério da Educação (MEC) eliminou em 2013 1.522 candidatos que tentaram fraudar ou cometeram alguma irregularidade no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, são casos que vão de uso de telefone celular no dia do exame a tentativa de entrar com ponto eletrônico no local de prova.

A Polícia Civil de Minas Gerais constatou indícios de que uma quadrilha que fraudava vestibulares de faculdades particulares de medicina no Estado e no Rio teriam atuado também na última edição do Enem. Segundo as investigações, a quadrilha teria vendido respostas em Barbacena (MG).

Mercadante disse que o MEC ainda não conhece as investigações. "Até o momento, nada foi encaminhado para o MEC. Há o indício e queremos apurar com rigor, mas não recebemos nenhum nome, em qual escola essas pessoas teriam entrado, para fazermos os cruzamentos", disse nesta sexta-feira, 20, em evento na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), na capital paulista.

Dentre os que foram eliminados do exame, 396 são de Minas - quatro deles, de Barbacena. O MEC, conforme ele, não sabe se eles fazem parte do bando investigado pela polícia mineira. Mercadante não deu detalhes sobre participação de fiscais da prova em irregularidades.

O ministro da Educação descartou qualquer possibilidade de cancelar o exame parcial ou totalmente. "São todos casos isolados", disse. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão ligado ao MEC que organiza o Enem, divulgou nota sobre o caso.

"Como o Inep, até o momento, não teve acesso a qualquer nome de possível beneficiado pelo esquema, é impossível verificar se os supostos beneficiários da quadrilha estão entre os 1.522 candidatos já excluídos do exame por fraude", afirmou o instituto.

Desde o início de dezembro, a Polícia Civil mineira constatou indícios de que a quadrilha que fraudava vestibulares de faculdades particulares de medicina de Minas e do Rio também teria vendido gabaritos do Enem.

A quadrilha foi desbaratada por meio da Operação Hemóstase, que já teve execução de 21 mandados de prisão preventiva e resultou no indiciamento de 36 suspeitos por envolvimentos nas fraudes de vestibulares de medicina.

De acordo com o responsável pelas investigações, delegado Fernando Barbosa Lima, de Caratinga (MG), o suspeito apontado como chefe do grupo, José Cláudio de Oliveira, de 41 anos, teria tido também acesso às provas do caderno amarelo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.