Mantega: medidas cambiais serão discutidas com calma

Ministro da Fazenda diz que vai reavaliar as resoluções já tomadas e que estímulo às exportações é mais importante que reduzir importações

São Paulo - As medidas cambiais adotadas desde o fim do ano passado serão avaliadas pela equipe econômica, segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Durante apresentação inicial na reunião do Grupo de Avanço da Competitividade (GAC), Mantega lembrou hoje que o governo tem tomado várias medidas nesse campo e uma série de outras ainda serão discutidas com calma.

"Temos que rever as medidas que tomamos, as que andaram e as que não andaram", afirmou o ministro, que também citou iniciativas que ainda não entraram em funcionamento, como o Eximbank do BNDES e a Agência Brasileira de Garantias. "Então há uma série de medidas nessa área que depois discutiremos com calma", completou Mantega.

Mantega disse que "talvez" o principal desafio do GAC seja melhorar as contas externas brasileiras. Segundo ele, é preciso fazer com que as exportações cresçam mais que as importações, porque não é possível reduzir as importações. "Essa é uma tarefa fácil que o companheiro Pimentel (ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel) e sua equipe vão realizar rapidamente", afirmou.

O ministro ressaltou que a balança comercial de janeiro já veio com um "resultado razoável". "O importante é que deu saldo positivo, então está começando bem", observou.

Para Mantega, o desafio de melhorar as contas externas é importante porque o governo também não pode permitir que haja um aumento do déficit de transações correntes. Ele disse que ainda espera valorização das matérias-primas (commodities) em 2011, o que deve ajudar nas exportações. "Mas temos que reforçar aqui a questão das exportações de manufaturados e enfrentar a guerra comercial que está firme aí", acrescentou.

Produção industrial

O segundo grande desafio para 2011 do governo, após a melhora das contas externas, é estimular a produção industrial, conforme disse Mantega, na reunião do GAC. "É bem verdade que o setor manufatureiro sofre mundialmente, foi afetado pela crise e, mesmo assim, a produção industrial cresceu 10,4% em 2010, compensando a queda de 2009", citou.

Mantega disse em seguida que era preciso empenho para fortalecer o setor manufatureiro. "Temos aqui vários desafios para aumentar a produtividade, é fundamental que continuemos a tomar medidas importantes", afirmou.

Outro desafio para este ano, segundo o ministro, é a qualificação da mão de obra. "Acho que um dos gargalos que podemos ter para a continuação do crescimento do País é a escassez de mão de obra com a qualificação adequada." Por isso, ele disse ser necessário implantar no Brasil um grande programa de qualificação. "Isso é prioritário porque vai introduzir cidadãos que hoje estão fora do mercado de trabalho", justificou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também