Brasil

Manifestantes voltam à Avenida Paulista para ato contra o PL do Aborto

Em tramitação na Câmara dos Deputados, Projeto de Lei nº 1.904/2024 fixa em 22 semanas de gestação o prazo máximo para abortos legais

Manifestantes na Avenida Paulista (Frente SP Pela Legalização do Aborto/Reprodução)

Manifestantes na Avenida Paulista (Frente SP Pela Legalização do Aborto/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 15 de junho de 2024 às 19h34.

A Avenida Paulista voltou a ser palco de manifestações contra o Projeto de Lei nº 1.904/2024, que equipara o aborto após a 22ª semana de gestação ao crime de homicídio. Neste sábado, manifestantes se reúnem em São Paulo para protestar contra o texto conhecido como PL do Aborto.

A manifestação foi organizada por 60 coletivos da sociedade civil que tentam pressionar o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a frear a tramitação. Na última quarta-feira, a toque de caixas, o regime de urgência foi aprovado na Casa Legislativa.

O ato teve início às 15h em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP). Cartazes com palavras de ordem como "Fora, Lira" e "Aborto legal já" tomaram a avenida. A principal frase repetida pelos manifestantes foi "criança não é mãe, estuprador não é pai".

Parlamentares do PSOL como os deputados federais Sâmia Bomfim e Ivan Valente marcaram presença.

"A força do movimento feminista na rua vai derrotar esse projeto maldito", escreveu Sâmia no X (antigo Twitter). Já Valente destinou suas críticas a Lira: "Na ânsia de ter apoio da extrema direita na sucessão, Lira colocou em pauta atrocidades como o PL do Estuprador. Isso acendeu na sociedade um sentimento de aversão e colocou o povo na rua em protesto".

O que é a PL 1.904/2024?

O Projeto de Lei nº 1.904/2024 fixa em 22 semanas de gestação o prazo máximo para abortos legais. Atualmente, não há no Código Penal um prazo máximo para o aborto legal. No Brasil, o aborto é permitido por lei em casos de estupro; de risco de vida à mulher e de anencefalia fetal (quando não há formação do cérebro do feto). No entanto, a realização do aborto após as 22 semanas de gestação implica a utilização de uma técnica chamada assistolia fetal, que gera grande polêmica no país.

Quem é o autor da PL do aborto?

Autor do PL do Aborto, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ)

PL do aborto: 22 semanas e assistolia fetal

O método utiliza medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto, antes de sua retirada do útero. Ele é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para os casos de aborto acima de 20 semanas e é considerado essencial para o cuidado adequado ao aborto.

Qual é o limite máximo para se fazer um aborto?

No entanto, em abril, o Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou uma resolução proibindo os médicos de realizarem o procedimento. Na prática, isso impedia que a gestação resultante de estupro fosse interrompida nesse período, o que contraria a lei brasileira, que não estabelece limite máximo para o procedimento.

A resolução foi suspensa pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Mas, na mesma data, o projeto que fixa em 22 semanas de gestação o prazo máximo para abortos legais.

Aborto é proibido no Brasil?

Atualmente, o aborto é proibido no Brasil, exceto nos casos de aborto legal citados acima. Para quem comete esse crime, o código penal prevê detenção de um a três anos para a mulher que aborta; reclusão de um a quatro anos para o médico ou outra pessoa que provoque aborto com o consentimento da gestante; e reclusão de três a 10 anos para quem provoque aborto sem o consentimento da gestante.

Caso o projeto seja aprovado pelos parlamentares, o aborto realizado após 22 semanas de gestação será punido com reclusão de seis a 20 anos em todos esses casos e também no caso de gravidez resultante de estupro. A pena é a mesma prevista para o homicídio simples e pode fazer com que a vítima do estupro tenha uma pena maior que a de seu agressor. Quando a vítima é uma adulta, o crime de estupro no Brasil tem uma pena máxima de dez anos.

Avaliação de casos individualmente

De acordo com o projeto de lei, o juiz poderá mitigar a pena, conforme as circunstâncias individuais de cada caso, ou poderá até mesmo deixar de aplicá-la, se as consequências da infração atingirem o próprio agente de forma tão grave que a sanção penal se torne desnecessária.

Acompanhe tudo sobre:Aborto

Mais de Brasil

Aeroporto Salgado Filho retoma embarques e desembarques a partir de hoje; veja como vai funcionar

Lula se encontra com presidente da Itália, Sergio Mattarella, no Palácio do Planalto nesta segunda

Governo de SP entrega 107 obras de infraestrutura turística no 1º semestre e bate recorde

Mais na Exame