• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Voluntário da CoronaVac morreu intoxicado por sedativos e álcool, diz IML

Óbito motivou a Anvisa a suspender os testes com a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan. Polícia investiga suicídio
 (Agência Brasil/Marcello Casal Jr.)
(Agência Brasil/Marcello Casal Jr.)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 12/11/2020 18:35 | Última atualização em 12/11/2020 19:30Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O Instituto Médico Legal e o Instituto de Criminalística de São Paulo concluíram a investigação da morte do voluntário que participava dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo Instituto Butantan e o pelo laboratório chinês Sinovac. De acordo com o laudo, concluído nesta quinta-feira, 12, a causa do óbito foi por “intoxicação exógena por agentes químicos”, ou seja, exteriores ao corpo, e sem relação com a vacina.

Ainda de acordo com a informação obtida por EXAME, foi constatada a presença de opioides, sedativos e álcool no sangue na vítima. O laudo foi encaminhado ao 93º DP (Jaguaré), que investiga o caso, inclusive a possibilidade de suicídio.

A morte, chamada pelo termo técnico dentro dos testes da vacina de "evento adverso grave", foi o que levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender a fase de testes da vacina na segunda-feira, 9.

O presidente da Anvisa, Antônio Barra, disse que a interrupção foi determinada porque os dados recebidos por parte do Butantan estavam incompletos e insuficientes.

A decisão foi no sentido contrário da Comissão Nacional de Ética e Pesquisa, que também avalia o andamento dos testes no Brasil. De acordo com o coordenador da comissão, o médico Jorge Venâncio, o evento adverso grave não seria uma justificativa plausível para interromper os testes.

Ainda na segunda-feira, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que a morte não tinha relação com a vacina.

Na quinta-feira, 11, a Anvisa autorizou a retomada dos estudos clínicos da CoronaVac. A agência reguladora reforçou que a suspensão do estudo levou em conta critérios técnicos e que, até data da suspensão, não tinha conhecimento de informações que só foram encaminhadas na terça-feira, 10.

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, 12, Dimas Covas disse que a interrupção de dois dias não afetou o cronograma dos testes e que eles voltaram assim que foi autorizado. Até o momento, pouco mais de 10.000 voluntários já receberam a vacina em sete estados brasileiros. O total de testados será de 13.000 pessoas.

Primeiras doses chegam no fim de novembro

As primeiras doses da vacina contra a covid-19 do laboratório Sinovac chegam ao Brasil no dia 20 de novembro. Serão 120 mil doses de um lote de 6 milhões que serão entregues até o fim do ano. De acordo com a Anvisa, a interrupção nos testes não impede a importação deste material.

Há duas semanas, a agência autorizou a importação dessas doses prontas e da matéria-prima do laboratório chinês, necessária para que o Butantan formule mais 40 milhões de doses da vacina contra o coronavírus, totalizando 46 milhões.