Lagoa Rodrigo de Freitas tem 21 toneladas de peixes mortos retiradas

Biólogo avalia que forte calor na cidade contribuiu para a tragédia ambiental, mas que este não foi o único fator da mortandade

A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) retirou ontem (20) 21,8 toneladas de peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul do Rio de Janeiro.

O trabalho começou às 8h da manhã de quinta-feira e deve prosseguir durante todo o dia de hoje (21) até que cesse a mortandade de peixes. Até as 11h de hoje, 252 garis e 29 agentes de limpeza urbana foram mobilizados.

A Agência Brasil ouviu ontem o biólogo Mario Moscatelli, que estuda as lagoas do Rio, para entender o fenômeno. Ele avalia que o forte calor na cidade contribuiu para a tragédia ambiental, mas que este não foi o único fator da mortandade.

Moscatelli disse que caminhou ontem pelo entorno da Lagoa e reparou que parecia que os cardumes estavam em banho-maria. "A água estava quente, extremamente quente, e água quente não é muito bom, porque ela reduz a concentração de oxigênio", disse.

Em nota divulgada ontem, a Secretaria de Conservação do Município do Rio (Seconserva) informou que os órgãos ambientais estão em alerta e confirmou a redução dos níveis de oxigênio na água.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.