Frente Parlamentar de Caminhoneiros critica Bolsonaro e pede mudanças na Petrobras

Petrobras anunciou reajuste de 14,2% no preço do diesel. O preço médio nas distribuidoras passará para R$ 5,61 por litro
 (Carla Carniel/Reuters)
(Carla Carniel/Reuters)
I
Isabela RovarotoPublicado em 17/06/2022 às 17:59.

O líder da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas, deputado Nereu Crispim (PSD-RS), criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta sexta-feira, 17, por causa do aumento dos combustíveis e pediu mudanças na política de preços da Petrobras, com o fim da paridade internacional, que leva em conta a variação do dólar e do valor do barril de petróleo.

"Se realizou a mentira do ministro ganancioso, financeiro Paulo Guedes e a mentira do presidente ganancioso, eleitoreiro com a reforma fiscal tabajara da redução das alíquotas de ICMS", diz Crispim, em áudio que circula no WhatsApp. O parlamentar faz referência ao teto de 17% para o ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte coletivo, que passou no Congresso nesta semana com apoio do Palácio do Planalto.

Nesta manhã, a Petrobras anunciou que o preço da gasolina será reajustado amanhã em 5,2%, passando a custar R$ 4,06. Já o litro do diesel subirá 14,2%, para R$ 5,61. O anúncio levou a uma ofensiva do governo, Congresso e Supremo Tribunal Federal (STF) contra a estatal. Bolsonaro defendeu uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a empresa, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ameaçou dobrar a taxação dos lucros da Petrobras e o ministro André Mendonça, do STF, pediu explicações sobre a política de preços.

VEJA TAMBÉM: Estados vão recorrer de decisão do STF sobre ICMS dos combustíveis

Ao mesmo tempo, deputados começaram a coletar assinaturas para protocolar um requerimento de urgência para um projeto de lei, de autoria de Crispim, que cria um fundo de estabilização dos preços, com recursos que viriam de um imposto sobre a exportação de petróleo. O parlamentar disse ao Broadcast Político que já conseguiu metade das assinaturas necessárias para protocolar o pedido para que a proposta vá direto ao plenário da Câmara.

Crispim pede também que se suspenda a resolução que criou a política de preços de paridade de importação (PPI) da Petrobras. "O PPI não é uma legislação, é uma resolução do Conselho da Petrobras, dos combustíveis, que é presidido pelo ministro das Minas e Energia, subordinado ao presidente. Então, é mentira que ele Bolsonaro não pode suspender o PPI", declara o deputado, no áudio.

"Cada vez que ele vem com esse discurso, ele está tentando tirar o dele da reta. Isso é uma mentira deslavada. Ele está tentando, exatamente, responsabilizar terceiros, quando na realidade a solução está na sua caneta. Mais uma mentira do presidente, que tem medo, é frouxo e não tem caráter de cumprir o que ele prometeu em campanha, que iria retirar o PPI se fosse eleito", diz Crispim, sobre Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM:

Arthur Lira pede publicamente renúncia do presidente da Petrobras

Petrobras cai mais de 8% após Lira pressionar renúncia de CEO publicamente

Petrobras ignora Bolsonaro e anuncia alta de combustíveis hoje; entenda o contexto

Bolsonaro defende CPI para investigar presidente, diretores e conselho da Petrobras