• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Falha em Furnas provocou apagão em cidades de SP, RJ e MG

Operador Nacional do Sistema Elétrico descarta relação com crise hídrica vivida pelo país
Explicação: falha na subestação Rocha Leão, em Rio das Ostras (RJ), foi a causa do apagão de uma hora (Getty Images/Cristian Lourenco / EyeEm)
Explicação: falha na subestação Rocha Leão, em Rio das Ostras (RJ), foi a causa do apagão de uma hora (Getty Images/Cristian Lourenco / EyeEm)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 19/09/2021 15:31 | Última atualização em 19/09/2021 15:31Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Uma falha em Rocha Leão, subestação de Furnas que fica localizada no município carioca de Rio das Ostras, foi a causa do apagão de cerca de uma hora registrado no sábado, 18, em cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Com a ocorrência, não foi possível entregar energia para a distribuidora que atende a região, a Enel, o que afetou a prestação de serviços.

Os problemas foram relatados a partir de 21h20 e teriam sido normalizados por volta de 22h30.

Subsidiária da Eletrobras, Furnas informou que está analisando as causas do ocorrido. "As proteções atuaram corretamente para isolamento da falha, causando o desligamento de todos os equipamentos dessa subestação. A equipe técnica de Furnas prontamente iniciou os procedimentos para o restabelecimento do fornecimento para a distribuidora", explicou a estatal, referindo-se à Enel, que atende o Estado do Rio de Janeiro com exceção da capital.

Em nota, a Enel informou que a perturbação na rede de transmissão de Furnas "causou interrupção no fornecimento de energia em parte da região dos Lagos, Macaé, Cantagalo e Teresópolis".

Segundo a concessionária, o fornecimento teria sido normalizado para todos os clientes às 22h32.

A Energisa apontou ainda que, por ter afetado as supridoras Light e Enel, a ocorrência gerou impactos na prestação de serviços a cerca de 60 municípios de Minas Gerais e à Nova Friburgo, no Rio.

Segundo a empresa, a pane teve início às 21h21 deste sábado e o sistema foi sendo restabelecido de forma gradativa, até a situação ser normalizada por volta de 22h para 100% dos municípios atendidos pela concessionária. "A equipe da Energisa continua acompanhando a situação, de prontidão 24 horas, e em contato com as supridoras e o ONS (Operador Nacional do Sistema) que é responsável pela análise do que ocasionou a ocorrência", acrescentou.

ONS descarta relação com crise hídrica

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) descartou neste domingo, 19, a relação do apagão na noite do sábado, 18, em alguns municípios dos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais com a crise hídrica que vem causando estresse energético no País. O Operador não reportou nenhuma ocorrência em São Paulo, apesar de relatos, informando que, se houve algum problema, deve ter sido local, pois não chegou ao seu conhecimento.

Como já havia sido relatado por Furnas, o ONS informou que às 21h21 houve um desligamento total da subestação Rocha Leão, de propriedade de Furnas, "devido à atuação da proteção diferencial de barras do setor de 138 kV", explicou.

De acordo com o sistema de supervisão do Operador, houve interrupção de 696 megawatts (MW) na carga. Às 22h32, o abastecimento estava 100% normalizado.

"O ONS avaliará as causas da ocorrência junto aos agentes envolvidos. Vale ressaltar que o episódio não tem relação com a crise hídrica do País. Reiteramos que, assim que identificado o problema, atuamos prontamente para iniciar a recomposição do sistema e para que o completo fornecimento de energia fosse restabelecido o mais rápido possível", disse o ONS em nota.