Falha em aparelho pode ter causado incêndio no Museu Nacional, diz PF

Ar-condicionado estaria funcionando sem respeitar as normas do fabricante

Rio de Janeiro — A Polícia Federal (PF) apresentou na manhã desta quinta-feira, 4, o laudo sobre a investigação do incêndio no Museu Nacional, ocorrido em setembro do ano passado e que consumiu a maior parte do acervo de 12 mil peças da instituição localizada na Quinta da Boa Vista, no Rio. Como antecipado pelo jornal O Estado de S. Paulo no mês passado, a causa mais provável para o início do fogo foi um curto-circuito em um aparelho de ar-condicionado instalado no auditório no térreo da edificação. A conclusão dos peritos servirá para embasar inquérito da PF para apontar possíveis responsáveis, que poderão responder criminalmente.

Nos dias que se seguiram ao incêndio, uma equipe formada por sete peritos - três especializados em incêndio, dois em local de crime e dois em audiovisual e fotogrametria - atuaram diretamente no museu para colher evidências, além de outros que trabalharam posteriormente para análise do material.

Foi descartado incêndio criminoso ou mesmo a queda de um balão, sendo que "a causa mais provável", segundo a PF, foi um curto-circuito num ar-condicionado. O aparelho estaria funcionando sem respeitar as normas do fabricante.

Segundo os peritos, nem todas as câmeras de monitoramento do museu estavam funcionando, sendo que nenhuma delas registrou o foco inicial do incêndio. Mas imagens captadas por alguns dos equipamentos e outras feitas por câmeras externas ou mesmo fotografias postadas na internet permitiram que os investigadores estudassem a dinâmica do fogo, concluindo que ele se iniciou no auditório localizado no térreo.

O local possuía equipamentos de som, projetor de imagem e três aparelhos de ar-condicionado. E foi em um deles que, segundo os peritos, o incêndio se iniciou. De acordo com os técnicos, o aparelho tinha "deficiências na instalação".

"A gente não conseguiu identificar uma causa única, foram várias situações", disse o perito Marco Antônio Zatta. "Deveria ter um disjuntor para cada ar-condicionado. Havia um para os três. Não estava seguindo a recomendação do fabricante", pontuou. "A questão do aterramento é outro motivo. Ele havia sido feito na parte externa, mas não na interna. Foi feito pela metade."

A partir da conclusão dos peritos, a Polícia Federal tentará apontar os responsáveis. Eles poderão responder por incêndio culposo ou até mesmo doloso, mas não há previsão para conclusão do inquérito. "Ainda temos diligências em andamento", limitou-se a dizer o delegado Paulo Teles.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.