Decisão de concorrer ao governo será em janeiro, diz Gleisi

A ministra confirmou que pretende deixar o cargo em janeiro, mas evitou antecipar publicamente as ambições políticas para as próximas eleições

Brasília - A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, confirmou nesta sexta-feira, 27, que pretende deixar o cargo em janeiro, mas evitou antecipar publicamente as ambições políticas para as próximas eleições.

"A decisão de concorrer ao governo (do Paraná) vai ser tomada no ano que vem, e após a minha saída da Casa Civil. Então não tem uma decisão tomada ainda", disse a ministra, durante café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.

A ministra garantiu que a troca de comando na Casa Civil não será demorada nem difícil e se colocou à disposição para prestar esclarecimentos ao seu sucessor.

Conforme informou na quinta-feira o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, Gleisi e o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, devem deixar seus cargos em janeiro, antes dos demais colegas que sairão até o fim de março para disputar as eleições.

Gleisi deve ser candidata do PT ao governo do Paraná e Padilha concorrerá, pelo mesmo partido, à sucessão do governador Geraldo Alckmin (PSDB), em São Paulo.

"A decisão de concorrer ao governo vai ser tomada no ano que vem, e após a minha saída da Casa Civil. Então não tem uma decisão tomada ainda. É uma avaliação política que não quero misturar enquanto estou exercendo a função aqui. Gosto de separar as coisas. Eu solicitei à presidente (Dilma Rousseff) o afastamento, o tempo de afastamento é a decisão da presidente, e obviamente ao ela informar esse tempo, vamos fazer a devida transição", afirmou Gleisi.


"A referência (para deixar a Casa Civil) é para sair em janeiro, eu particularmente prefiro, a presidenta também tinha essa data como referência."

Questionada por repórteres sobre quem seria seu sucessor à frente do cargo, a ministra retrucou: "Se vocês souberem, vocês me falam." O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o secretário-executivo do Ministério da Previdência, Carlos Gabas, são cotados.

Transição

Gleisi disse não saber quanto tempo será necessário para a transição na Casa Civil e garantiu que vai estar "à disposição sempre que o próximo ministro ou ministra precisar".

"Nós temos uma equipe que é uma equipe que tem estabilidade, tem todo o corpo funcional da Casa Civil que sabe a situação de cada programa, de cada ato, que acompanha, não é uma transição difícil, tem informações, tem assessoria. Não é algo demorado e mesmo eu saindo vou estar à disposição para prestar informações e esclarecimentos", disse.

Indagada ao final do café da manhã se ia sentir alívio ou saudade quando deixar a Casa Civil, a ministra respondeu: "Foi um período muito bom, aprendi muito. Vou sentir saudade."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.