CNDL: vendas do varejo crescem 8,25% em 2010

Em dezembro, houve crescimento das vendas de 10,56% na comparação com o mesmo mês de 2009

São Paulo - As vendas do varejo no Brasil subiram 8,25% em 2010, na comparação com 2009, segundo pesquisa divulgada hoje pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em conjunto com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).</p>

O levantamento é feito por meio do número de consultas realizadas pelos lojistas no cadastro unificado do setor, que conta com informações dos consumidores. Em dezembro, houve crescimento das vendas de 10,56% na comparação com o mesmo mês de 2009 e alta de 34,17% ante novembro de 2010.

De acordo com a CNDL, a inadimplência recuou 1,85% no ano passado na comparação com 2009. Também foi verificada queda da inadimplência em dezembro ante novembro, de 4,49%. Na comparação com dezembro de 2009, houve um aumento de 2,73% na inadimplência em dezembro do ano passado.

Maior faturamento

O economista da CNDL, Fernando Sasso, estimou que o faturamento do varejo em 2010 registrou alta de 12% na comparação com 2009. A estimativa foi feita com base no volume de consultas e vendas no varejo ao longo de do ano passado, conforme divulgado hoje. “O faturamento do varejo com certeza será um dos melhores dos últimos tempos. As consultas já indicam isso”, comentou Sasso, durante entrevista coletiva.

Mais cedo, a CNDL informou que as vendas do varejo no Brasil subiram 8,25% em 2010, na comparação com 2009. O levantamento foi feito por meio do número de consultas realizadas pelos lojistas no cadastro unificado do setor, que conta com informações dos consumidores. Em dezembro, houve crescimento das vendas de 10,56% na comparação com o mesmo mês de 2009 e alta de 34,17% ante novembro de 2010. Sasso destacou que as taxas de juros mais baixas e a maior disponibilidade de crédito no País, com prazos mais longos, colaboraram para o aquecimento do mercado.

Natal de 2010

O Natal do ano passado foi o melhor dos últimos dez anos, na avaliação do economista Fernando Sasso. Segundo ele, até então, 2007 havia sido o melhor ano para as vendas do varejo no Natal. "Verificamos uma consolidação da recuperação ao longo do ano passado", comentou.

Para Sasso, o consumidor se sentiu mais confortável em realizar compras, consumiu mais e o setor registrou uma elevação do tíquete médio de compras. Isso foi possível, conforme o economista, por conta do crescimento da massa salarial e da inserção das classes C, D e E neste mercado consumidor. Ele citou que 85% de todo o consumo no Natal passado foi referente a essas classes. Sasso disse ainda que o patamar do dólar ante o real colaborou para o aquecimento do setor, ajudando nas vendas de produtos importados.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.