• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 70,18 -4.39
  • ABCB4 R$ 16,60 -1.95
  • ABEV3 R$ 14,20 -3.60
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,66 -1.39
  • AGRO3 R$ 30,75 -2.81
  • ALPA4 R$ 20,98 -2.37
  • ALSO3 R$ 19,47 -3.23
  • ALUP11 R$ 26,41 0.19
  • AMAR3 R$ 2,38 -2.46
  • AMBP3 R$ 30,90 1.95
  • AMER3 R$ 22,96 -0.26
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 82,09 -0.82
  • ASAI3 R$ 15,48 -2.21
  • AZUL4 R$ 21,30 -4.01
  • B3SA3 R$ 11,54 -3.03
  • BBAS3 R$ 35,85 -1.59
Abra sua conta no BTG

Brasil pode ter 4 mil mortes diárias pela covid-19 no fim de abril

A previsão é da Rede Análise Covid - que reúne especialistas de diferentes áreas para interpretar os dados oficiais sobre a pandemia
Coronavírus no Brasil: pela primeira vez desde o início da epidemia no País, os números de novos casos e mortes pela covid crescem exponencialmente em todos os Estados (Reuters/Diego Vara)
Coronavírus no Brasil: pela primeira vez desde o início da epidemia no País, os números de novos casos e mortes pela covid crescem exponencialmente em todos os Estados (Reuters/Diego Vara)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 18/03/2021 11:37 | Última atualização em 18/03/2021 11:37Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O número de mortos por covid-19 no Brasil pode chegar a 4 mil por dia até o fim de abril. A previsão é da Rede Análise Covid - que reúne especialistas de diferentes áreas para interpretar os dados oficiais sobre a pandemia.

A análise coincide com avaliação da Fiocruz. Em boletim extraordinário, a instituição afirmou que o Brasil vive "o maior colapso sanitário e hospitalar da história". Para reduzir o impacto da tragédia, dizem especialistas, medidas severas de restrição de circulação devem ser adotadas imediatamente.

Pela primeira vez desde o início da epidemia no País, os números de novos casos e mortes pela covid crescem exponencialmente em todos os Estados. Esse é um indicador importante de que a doença está fora de controle, segundo o coordenador da Rede Análise Covid, o cientista Isaac Scharstzhaup.

"Como a doença veio de fora, ela chegou de avião, inicialmente às principais capitais, e logo começou a se espalhar de cidade em cidade. Na metade do ano passado, muitas capitais estavam sofrendo, mas muitas cidades do interior não tinham sequer um caso da doença; a distribuição dos casos era muito díspar", explicou Scharstzhaup.

"Agora, desde a virada do ano, a tendência de aumento é geral; o que muda de um Estado para o outro é apenas a velocidade de transmissão." Segundo ele, só a adoção de medidas severas de restrição de mobilidade por todo o País, de forma coordenada, pode deter a pandemia; ações pontuais são inócuas.

"Não adianta fazer lockdown de fim de semana, de sete dias", explicou. "O ciclo de contágio do vírus é de 14 dias. Por isso nunca chegamos a zerar o número de casos, como a Europa conseguiu na primeira onda", afirmou. "Quando as restrições não são feitas corretamente, temos uma estabilização em patamar alto. O Brasil teria de fazer uma restrição forte e não ceder, esperar a real desaceleração."