Bolsonaro promete recriar Ministério da Indústria e Comércio ainda em 2022

O anúncio foi feito em evento da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg)
Bolsonaro: A criação ou extinção de ministérios precisam do aval do Congresso Nacional (Akos Stiller/Bloomberg/Getty Images)
Bolsonaro: A criação ou extinção de ministérios precisam do aval do Congresso Nacional (Akos Stiller/Bloomberg/Getty Images)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 27/05/2022 09:08 | Última atualização em 27/05/2022 09:08Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O presidente Jair Bolsonaro prometeu nesta quinta-feira, 26, a recriação do Ministério da Indústria e Comércio ainda em 2022. O anúncio foi feito em evento da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg). O presidente da entidade, Flávio Roscoe, disse ter pedido a recriação da pasta a Bolsonaro. "Nos bastidores, eu fiz uma demanda para o presidente apoiado pela bancada federal e falei 'presidente, não é possível mais a indústria não ter o seu ministério'", afirmou o dirigente.

Em resposta, Bolsonaro foi ao microfone tomou a palavra inesperadamente. "A toda a bancada de Minas Gerais, ao nosso presidente: foi uma solicitação que confesso, já estava um pouco madura, mas agora selou o seu final. Uma vez havendo outra oportunidade, ainda no corrente ano, vai estar nas mãos do (presidente da Câmara, Arthur) Lira a recriação do Ministério da Indústria e Comércio", disse o presidente, arrancando aplausos dos empresários presentes.

A criação ou extinção de ministérios precisam do aval do Congresso Nacional. Na prática, a recriação do Ministério da Indústria e Comércio é uma derrota para o ministro da Economia, Paulo Guedes, que teve as atividades da pasta incorporadas ao seu "superministério" no primeiro dia de governo Bolsonaro, em janeiro de 2019. No ano passado, Bolsonaro recriou o Ministério do Trabalho, que também tinha sido incorporado pela Economia.

LEIA TAMBÉM: 

Bolsonaro critica compensação em teto do ICMS e diz que pode vetar gatilho

Cortar ICMS é populista e não vai baratear combustíveis, diz especialista