Bezerra confirma intenção de zerar fila do Auxílio Brasil na PEC dos Combustíveis

Com a inclusão da medida, o custo estimado com o programa social na PEC subiu de R$ 21,6 bilhões para R$ 26 bilhões
Em entrevista coletiva, após uma reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), Bezerra apresentou o relatório final da proposta (Moreira Mariz/Agência Senado/Flickr)
Em entrevista coletiva, após uma reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), Bezerra apresentou o relatório final da proposta (Moreira Mariz/Agência Senado/Flickr)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 29/06/2022 às 11:19.

Última atualização em 29/06/2022 às 11:20.

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) confirmou nesta quarta-feira, 29, que a intenção do Congresso e do governo é zerar a fila de espera do Auxílio Brasil, estimada em 1,6 milhão de famílias, na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Combustíveis, que também prevê um aumento do valor do programa social que substituiu o Bolsa Família de R$ 400 para R$ 600 até o final do ano.

Em entrevista coletiva, após uma reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), Bezerra apresentou o relatório final da proposta.

Com a inclusão da medida para zerar a fila do Auxílio Brasil, o custo estimado com o programa social na PEC subiu de R$ 21,6 bilhões para R$ 26 bilhões.

A menos de 100 dias das eleições, o Congresso e o Planalto agiram para ampliar ainda mais o "pacote do desespero", como foi apelidado nos bastidores por técnicos as medidas que estão sendo adotadas para fazer frente à alta dos preços dos combustíveis.

A ideia inicial era que a PEC previsse compensação de receitas a Estados que decidissem zerar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre diesel e gás de cozinha. No entanto, o líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ), anunciou na última quinta-feira, 23, que os recursos previstos para a compensação aos Estados seriam usados, em vez disso, para conceder os benefícios sociais.

Leia também:

Bolsonaro e Lira pressionam para aprovar PEC em apenas dois dias

Presidente da Caixa é pressionado a deixar o cargo após denúncias de assédio