Anvisa recebe pedido de registro definitivo da vacina da Pfizer

Pedido é o segundo feito à Agência; primeiro foi feito pela Oxford

A Pfizer enviou neste sábado (6) o pedido de registro definitivo da vacina da Pfizer, chamada de "Cominarty" pela empresa. Esse é o segundo pedido feitos nestes moldes -- o primeiro foi feito Oxford, no fim de janeiro. A informação foi divulgada no site oficial do governo nesta manhã.

Se aprovado pela Agência, o registro permite que a vacina seja comercializada, distribuída e utilizada pela população, nos termos da indicação da bula.

Em nota oficial, a Anvisa afirma que "avalia de forma emergencial e com total prioridade as vacinas contra covid-19. Para tanto, adotou os procedimentos de submissão e análise contínua dos dados e das informações submetidas pela empresa", antes mesmo do pedido do registro.

E as outras vacinas?

Atualmente, a Coronavac é a única vacina que conta com aprovação emergencial da Anvisa no país. Em informações concedidas à Reuters, o Instituto Butantan afirmou que negocia a compra de mais 20 milhões de doses da vacina contra covid-19 Coronavac com o laboratório chinês Sinovac, além das 100 milhões já acordadas para entrega até setembro, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

O Butantan fechou contrato com o Ministério da Saúde para entrega até abril de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina que foi testada no Brasil pelo instituto ligado ao governo paulista, e aguarda para esta semana a assinatura do contrato de confirmação da opção de compra pelo ministério de mais 54 milhões de doses até setembro.

Em relação à vacina de Oxford, que deve ser fabricada pela Fiocruz no país, a Agência liberou no início de janeiro a importação emergencial do insumo para fabricar o imunizante. Atualmente, já foram analisados os dados das fases 1, 2 e 3 de testes de clínicos e de eficácia da vacina.

Também foi concluída a análise dos documentos referentes à qualidade e à certificação de boas práticas de fabricação. A Anvisa havia pedido dados mais detalhados sobre a fabricação dos insumos, que neste primeiro momento vem importado da China.

A vacina de Oxford é a principal aposta do governo federal para imunizar o país. Neste sábado (6), o primeiro lote do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para a produção de 2,8 milhões de doses chegou ao país. Após a nacionalização do IFA, a Fiocruz prevê produzir mais 110 milhões de doses até o fim deste ano.

Além dessas opções, recentemente a Johnson & Johnson afirmou que já entrou com a documentação necessária junto à agência reguladora e que deve realizar os testes clínicos de fase 3 no Brasil -- o que pode se converter em mais uma opção para o país, caso os resultados sejam favoráveis.

Ao todo, o Brasil deve encerrar o primeiro trimestre de 2021 com 41,2 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus garantidas, o suficiente para imunizar pouco mais de um quarto (26,7%) da população considerada prioritária no país. Outros lotes e fabricantes que poderiam se somar a esse total tiveram suas remessas adiadas ou ainda seguem em negociação, sem previsão de data para entrega ou quantidade exata de fornecimento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.