Alimentação à base de vegetais ganha força em comunidades do Rio

Dieta antes associada a um estilo de vida caro, luxuoso e inacessível se populariza: é possível a ter uma alimentação boa, bonita e equilibrada em qualquer lugar
Verduras e legumes: uma dieta à base de plantas precisa ser diversificada e equilibrada, na qualidade e quantidade: (OlgaMiltsova/Getty Images)
Verduras e legumes: uma dieta à base de plantas precisa ser diversificada e equilibrada, na qualidade e quantidade: (OlgaMiltsova/Getty Images)
A
Agência O GloboPublicado em 26/06/2022 às 18:49.

‘Mas se você não come carne, então come o quê?” A pergunta feita aos que abandonam uma dieta à base de proteína animal fica mais frequente quando quem adere a uma alimentação plant based (à base de alimentos vegetais) mora na favela. As explicações são muitas. A primeira é cultural. Estamos habituados a consumir proteína animal em todas as refeições. Não à toa, um prato sem carne é considerado “pobrinho”, sem sustância — o que está longe de ser verdade. A outra é que a dieta é associada a um estilo de vida caro, luxuoso, inacessível para quem vive em comunidade. Mas algumas vozes periféricas têm mudado o tom desse discurso mostrando que, sim, é possível a ter uma alimentação boa, bonita e equilibrada em qualquer lugar.

Regina Tchelly plantou a semente da mudança quando criou o Favela Orgânica, nas favelas Babilônia e Chapéu Mangueira, na Zona Sul do Rio. Hoje, o projeto já faz parte da comunidade e tem até calendário de festas, como a junina, que acontece hoje, do meio-dia às 20h.

— Minha bandeira nunca foi o veganismo, mas mudar a relação das pessoas com a comida, mostrando que é possível ter uma boa alimentação com poucos recursos, aproveitando o que se tem em casa — conta Regina, que tem uma série no YouTube ensinando a multiplicar os alimentos da cesta básica vegetal: — Ensino a plantar, colher, comer e gerar renda.

Combater a fome é a premissa do Semeando Amor, em Rio das Pedras. A saída para isso foi uma alimentação 100% vegetal. Todo sábado voluntárias fazem uma triagem, separam em minicestas básicas e distribuem para cerca de cem idosos, doentes e mães solo.

— Ninguém tinha dinheiro para comprar carne. Mas era muito desperdício, muita coisa estragava. Vimos que podíamos mudar isso — diz Ivone Rocha, à frente do projeto.

E tem dado certo. Quando sabe que tem “salmão” no almoço do trabalho, Maria Eunice já pede uma coisinha diferente. “Salmão” é como chamam salsicha por lá, e faz tempo que ela eliminou embutidos, processados e industrializados.

— O que as pessoas desperdiçam, eu aproveito. Uma banana mais passada vira um doce, um bolo — conta ela, que mora com o marido e os filhos. — Levo as comidas, depois digo o que é.

Durante a semana, 20 crianças usam o espaço para aulas de reforço, com direito a lanche, claro.

— Desde setembro elas não consomem aqui refrigerante, nem salgadinhos de pacote.

De acordo com Bruna Crioula, nutricionista, mestranda em Ciências Sociais e fundadora da Crioula Curadoria Alimentar, o que é necessário considerar é que uma dieta à base de plantas precisa ser diversificada e equilibrada, na qualidade e quantidade:

— Excluir animais da dieta não traz qualquer prejuízo às nossas demandas nutricionais independentemente da fase da vida — diz, fazendo uma ressalva: — Comida de verdade é arroz, feijão, mandioca, amendoim, milho, favas, folhas, frutas, sementes.

Mais nutritivo

Falando não apenas com a comunidade, mas com toda uma geração, os gêmeos do Vegano Periférico, Eduardo e Leonardo Santos, de Campinas, são referência contra a exploração animal e a favor de barriga cheia. Diariamente, eles postam pratos feitos repletos de cores, nutrientes e informação.

— Se eu fosse ter uma alimentação com proteína animal saudável, sem embutidos, certamente seria mais cara. O que eu como é mais colorido, mais nutritivo, tem muito menos gordura e é mais acessível — diz Eduardo.

A estética criada por eles dá livre acesso a quem mora em comunidade curtir, compartilhar e colocar em prática o que é visto por lá.

— Não tenho acesso a tofu, cogumelos, aspargos. É caro e não tem perto de mim. É muito longe da realidade. O que fizemos foi criar uma estética que não tinha na periferia, com a parede que a gente tem, com o prato que a gente come, sem frescura, mostrando aquele produto que custou R$ 5 no mercadinho — ressalta Leo: — Fazemos um recorte mais acessível expondo nosso dia a dia, o que mudou completamente a cara do veganismo. A questão cultural é tão forte quando consumir porco, vaca. A gente tem que conversar para mudar na raiz.

Cozinha solidária

Segundo pesquisa do Ibope, se em 2012, 8% da população se autodeclarou vegetariana, essa porcentagem subiu para 14% seis anos depois. Na mesma consulta, 60% da população disse que consumiria mais produtos veganos, caso os preços fossem menores.

A família de Thiago de Paula sempre trabalhou no mercado gastronômico de São Paulo, em restaurantes caros. Essa experiência somada àda mãe, tias e irmãs criou um tempero único.

— Tia Nice (mãe de Thiago) como toda mulher preta da periferia fez vários corres. Lá em casa sempre teve comida gostosa, boa. Quando a gente não tinha acesso a carne, ela recorria a plantas alimentícias do quintal, fazia aquela saladona — lembra Thiago.

Em 2019, eles abriram o Organicamente Rango, em Campo Lindo, São Paulo, restaurante sustentável, com preços baixos. Diariamente, 800 refeições são distribuídas. Desde o início da pandemia, já foram doadas 300 mil marmitas.

Thiago entrou na lista 50 Next, do World’s 50 Best Restaurants, que destaca jovens que podem mudar os rumos da gastronomia no mundo, na categoria empreendedorismo criativo.