Trocar de smartphone está mais difícil

Pesquisa da GfK revela que as principais barreiras à mudança estão relacionadas à experiência do usuário, ao invés do custo ou da marca

São Paulo - Resultados do mais recente estudo da GfK conduzido em vários países mostra que as principais barreiras à mudança de tipo de smartphone estão relacionadas à experiência do usuário, ao invés do custo ou da marca.

A pesquisa revela que as três principais barreiras são: "bagunçar/desorganizar a configuração atual do meu smartphone" (33%), "ter que aprender a usar outro tipo de smartphone" (29%) e "ter que transportar o meu conteúdo (música, vídeo, livros, aplicativos) de um tipo de smartphone para outro” (28%).

No Brasil, essas barreiras foram citadas ainda mais fortemente, principalmente as relativas a bagunçar/desorganizar a configuração atual do smartphone (41%) e ter que transportar o conteúdo (38%). Em seguida aparece ter que aprender a usar outro tipo de smartphone com 32%.

O relatório da GfK sobre a experiência do usuário e fidelidade ao ecossistema digital analisou as barreiras dos consumidores para a troca de tipos de smartphones e o impacto de suas atitudes relativas à experiência geral do usuário. O estudo foi realizado em nove países: Brasil, China, França, Alemanha, Japão, Itália, Espanha, Reino Unido e os EUA.

"As barreiras para troca de smartphone mostram a importância daquele ditado: ‘Em time que está ganhando não se mexe.’ Esse pensamento ficou ainda mais forte com o crescimento de dispositivos conectados que melhoraram rapidamente a experiência do usuário", comenta Leonardo Melo, gerente de Atendimento da área de Business & Technology da GfK Brasil.

"Paralelamente, a acessibilidade de conteúdo entre dispositivos também oferece grandes benefícios aos consumidores e pode ser uma forma de retenção na marca. Aqueles consumidores que se sentem satisfeitos com sua configuração atual terão dificuldade em experimentar uma nova plataforma e quanto mais serviços usarem, maior sua fidelidade a uma marca."


Fidelidade aumenta com aplicativos

Com o decorrer do tempo o consumidor cria ecossistemas digitais e seu próprio mundo de conteúdo em seu aparelho móvel, e o estudo mostra que sua fidelidade à marca de smartphone aumenta com a quantidade de aplicativos e serviços que utilizam. A pesquisa revela que o ponto de virada para essa fidelidade é quando o consumidor usa sete ou mais serviços em seu dispositivo.

Os consumidores nos Estados Unidos são os mais propensos a usar sete ou mais serviços (61%), seguido de perto pela China (56%) e Brasil (53%). Em contrapartida, os consumidores europeus utilizam menos serviços em seu smartphone: França e Itália (46%), Alemanha (45%), Espanha (43%) e Reino Unido (42%).

Experiência do usuário

A pesquisa também analisou o impacto de três aspectos fundamentais quando se trata de experiência do usuário: simplicidade de uso, integração de recursos e acesso a conteúdos. E os resultados revelaram que a importância dada a estes três aspectos depende da região em que o consumidor vive.

Consumidores da Europa Ocidental mostram maior ênfase na simplicidade do que na integração ou acesso a serviços. Por exemplo, na Alemanha 84% dos consumidores acreditam que a facilidade de uso é o fator mais importante e dão menor importância em acesso a conteúdos em vários dispositivos (64%). Por outro lado, os consumidores chineses dão maior importância para acesso a conteúdo, com 92% enfatizando a necessidade de acessar conteúdo em todos os dispositivos.


Em nível global, 72% dos usuários de smartphones dizem que acham mais fácil acessar seus aplicativos e navegar no sistema de menu de seu próprio aparelho. Portanto, sair de um smartphone com o qual se sentem familiarizados é o maior desafio na troca de aparelhos.

Setenta e um porcento dos usuários de smartphones acreditam que os serviços e recursos em seus aparelhos funcionam perfeitamente entre si. A pesquisa também descobriu que quanto mais serviços um consumidor utiliza em um dispositivo, mais ele sente que os recursos e funções estão fortemente integrados.

Por fim, o consumidor que cria uma biblioteca de mídia e conteúdo exige acesso a todo seu conteúdo digital, independentemente do dispositivo que esteja usando naquele momento. Quase três quartos (72%) dos proprietários de smartphones acham que é importante o acesso a conteúdos como músicas, livros e aplicativos em qualquer dispositivo com conexão à internet, como smartphones, tablets e PCs. Este número aumenta para 80% e se torna ainda mais importante para os consumidores que possuem todos os três dispositivos: tablet, smartphone e PC.

Segundo Leonardo Melo, "o fabricante de smartphone que criar uma experiência harmoniosa para o usuário será capaz de aumentar a fidelidade deste consumidor e isso também ocorre cada vez mais com tablets. Em um mercado competitivo, as marcas que investirem na experiência do usuário irão obter grandes resultados.

Aquelas que ocupam posições de destaque no mercado, que criam experiências incríveis aos seus usuários, estão potencialmente na posição mais forte, e será difícil desafiá-las para ganhar participação de mercado".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.