Software de reconhecimento facial não ajudou em Boston

Segundo o jornal The Washington Post, o trabalho foi meticuloso e exaustivo e cada agente chegava a analisar o mesmo fragmento de vídeo cerca de 400 vezes

São Paulo - Enquanto as imagens de câmeras de segurança forneceram imagens importantes sobre os dois suspeitos de planejar o atentado a bombas na maratona de Boston, o uso do software de reconhecimento facial por parte da polícia acabou sendo ineficaz em revelar as identidades dos criminosos.

Em entrevista ao jornal The Washington Post, o comissário de polícia de Boston, Edward Davis, afirmou que apesar da existência de informações dos acusados em bancos de dados oficiais do governo, o software utilizado para reconhecimento facial não conseguiu identificar seus nomes.

Após diversos peritos passarem dias combinando milhares de vídeos e imagens para construir uma linha do tempo para o atentado, o uso do software de reconhecimento facial não agregou nenhum detalhe para a investigação.

Segundo o jornal, o trabalho foi meticuloso e exaustivo e cada agente chegava a analisar o mesmo fragmento de vídeo cerca de 400 vezes.

As autoridades decidiram então publicar as imagens dos suspeitos três dias depois de ocorrido o atentado. Por fim, a tradicional cooperação com informações dos cidadãos é que ajudou a identificar os suspeitos, no que se tornou a primeira caçada colaborativa nas redes sociais.

Usuários dos fóruns da internet 4Chan e Reddit se uniram para conduzir uma investigação paralela ao FBI em busca dos suspeitos. As fotos também eram compartilhadas pelo Flickr e exibidas em vários Tumblrs.

Apesar da promessa em auxiliar no combate ao crime, os departamentos de polícia dos Estados Unidos vêm relutando para abraçar totalmente o uso do software de reconhecimento facial. Mas o FBI vem desenvolvendo um sistema, que deve ser lançado em 2014, que deverá ajudar no reconhecimento de criminosos.

A tragédia de Boston aconteceu ao final da tradicional maratona da cidade na última segunda-feira (15). Os autores do atentado utilizaram bombas de fabricação caseira, panelas de pressão com pregos e estilhaços em seu interior que deixaram mais de 170 feridos, várias pessoas amputadas, além dos três mortos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.