Pernambucanas entra para telefonia e lança operadora própria

Varejista lança serviço de telefonia em parceria com a Surf Telecom
Pernambucanas: chip de operadora da varejista custam 40 reais, com valor revertido em recarga (Divulgação/Divulgação)
Pernambucanas: chip de operadora da varejista custam 40 reais, com valor revertido em recarga (Divulgação/Divulgação)
T
Thiago Lavado

Publicado em 08/06/2021 às 17:37.

Última atualização em 09/06/2021 às 17:32.

Depois de Larissa Manoela, foi a vez das Pernambucanas anunciarem a entrada no mercado de telefonia móvel. A varejista anunciou nesta terça-feira, 8, que passará a ter sua própria operadora de telecomunicações, com venda do "Chip Pernambucanas" nas 400 lojas da rede espalhadas pelo Brasil.

O modelo de negócio é do tipo white-label, conhecido no mercado de telefonia como MVNO (Mobile Virtual Network Operator), em que uma empresa compra serviços — minutos, pacotes de dados — de telefonia de uma operadora estabelecida no atacado e revende a consumidores com preços atrativos e outros tipos de vantagem, explorando geralmente o atendimento, em um setor de mercado mal servido.

De acordo com a varejista, que afirma ser a primeira a explorar esse mercado no país, a parceria será feita com a Surf Telecom. "“Somos uma empresa de relacionamento e o cliente está sempre no centro de nossas inovações. Nosso compromisso é oferecer a ele, em um só local, uma ampla variedade de produtos e serviços que se conectem ao que ele precisa e deseja", disse Sergio Borriello, CEO da Pernambucanas, em nota.

 

Segundo a empresa, os chips serão apropriados para qualquer modelo de celular e podem ser adquiridos nas lojas por 40 reais, com o cliente ganhando recarga de mesmo valor no momento da compra. Não há planos pós-pago e recargas adicionais precisam ser feitas pelos consumidores, pelo site da rede ou em uma das lojas.

A Pernambucanas oferece, em conjunto do chip, dados ilimitados para WhatsApp, ligações ilimitadas em todo o Brasil e bônus de 1GB por recorrência de créditos colocados na linha. Também não há fidelidade, multas ou cortes de internet, apenas redução na velocidade.

Embora tenha ganhado escopo recentemente com Larissa Manuela e com a Pernambucanas, o modelo de telefonia MVNO não é novo e já foi adotado por diferentes empresas no Brasil, desde o Corinthians, que tinha uma operadora que chegou a ser apresentada em camisas do time e até os Correios, que se aventuraram pela comunicação em telefonia.