Tecnologia

Microsoft obriga funcionários na China a usarem iPhones

A partir de setembro, a empresa eliminará o uso de smartphones Android nos escritórios

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 8 de julho de 2024 às 09h46.

Última atualização em 8 de julho de 2024 às 09h48.

A Microsoft anunciou oficialmente aos seus funcionários na China que, a partir de setembro, serão obrigados a usar iPhones para todas as atividades relacionadas ao trabalho, eliminando o uso de smartphones Android nos escritórios da empresa.

Um documento interno, examinado pela Bloomberg, indica que a Microsoft exigirá que seus funcionários baseados na China usem exclusivamente produtos da Apple para validar suas identidades ao acessar seus computadores de trabalho ou dispositivos móveis. Esta medida faz parte do Programa Internacional Secure Future da Microsoft, projetado para garantir que todo o pessoal utilize o Microsoft Authenticator para gerenciamento de senhas e o aplicativo Identity Pass, impactando diversos funcionários em toda a China continental.

A diretiva reflete a natureza díspar dos mercados de aplicativos Android na China e a crescente separação entre os ambientes de software móvel chinês e global. A Google Play Store, operada pela Alphabet, não está acessível na China, o que levou empresas locais como Huawei e Xiaomi a desenvolverem seus próprios serviços de distribuição de aplicativos.

A Microsoft decidiu negar o acesso aos dados de sua empresa a partir desses smartphones porque eles não incluem o conjunto de serviços móveis do Google na China, conforme declarado no documento. Os funcionários que atualmente usam dispositivos Android, incluindo modelos da Huawei ou Xiaomi, receberão um iPhone 15 como uma troca única, de acordo com o relatório. A Microsoft planeja distribuir esses iPhones em locais designados em toda a China, incluindo Hong Kong, onde o conjunto de serviços do Google está disponível.

Impacto político

A Microsoft não emitiu uma declaração pública sobre essa política e não forneceu uma resposta ao pedido da Bloomberg para comentários sobre os motivos dessa mudança.

Essa estratégia pode aumentar a visibilidade do iPhone na China, principalmente considerando o atual atrito político entre Pequim e Washington. Desde 2023, um número crescente de organizações e agências na China, apoiadas pelo governo, orientou seus funcionários a se absterem de usar produtos de tecnologia internacional no trabalho devido a preocupações com a segurança dos dados.

A Microsoft está tomando medidas para reforçar suas medidas de segurança em todo o mundo após várias infiltrações de hackers patrocinados por governos nacionais. Um incidente de segurança significativo, associado à Rússia e tornado público em janeiro, afetou uma série de instituições federais dos EUA, incluindo o Departamento de Estado. A Microsoft está sob pressão substancial e enfrenta críticas de legisladores dos EUA para fortalecer seus sistemas de segurança.

Em suma, essa decisão da Microsoft, além de aumentar a segurança, pode representar uma oportunidade para a Apple expandir sua presença no mercado chinês, embora também possa acirrar as tensões já existentes entre China e EUA no setor de tecnologia.

Conheça a sede da Microsoft

Acompanhe tudo sobre:MicrosoftAndroidiPhone

Mais de Tecnologia

De lavador de pratos a CEO bilionário: a jornada de Jensen Huang na Nvidia

Lançado há um ano, Threads ainda quer ser o novo Twitter

União Europeia emite advertência final para X sobre conteúdo perigoso

Samsung prevê salto nos lucros devido à demanda por chips de IA

Mais na Exame