Fintech de crédito UME capta US$ 10 milhões em nova rodada

A startup UME aposta na digitalização do sistema de crediário. Com o aporte milionário, segue para uma expansão geográfica focada no Norte e Nordeste
Márcio Palheta, Marco Cristo, Theo Ramalho e Berthier Ribeiro, sócios da UME: faturamento de até R$ 500 milhões por ano (Divulgação/Foto)
Márcio Palheta, Marco Cristo, Theo Ramalho e Berthier Ribeiro, sócios da UME: faturamento de até R$ 500 milhões por ano (Divulgação/Foto)
Por Da redaçãoPublicado em 29/04/2022 15:25 | Última atualização em 30/04/2022 10:54Tempo de Leitura: 2 min de leitura

De olho em um público consumidor desbancarizado, mas que movimenta cerca de R$ 800 bilhões por ano, a UME, uma fintech de concessão de crédito para que não dispõem de relacionamento bancário, tem avançado seu crescimento a passos largos desde 2018, quando foi fundada.

Quer ficar por dentro das maiores novidades da tecnologia? Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia.

Nesta sexta-feira, 29, a startup iniciou mais um marco dessa expansão ao anunciar uma nova captação de investimentos. Ao todo, a empresa colocou no caixa US$ 10 milhões (cerca de R$ 56 milhões, na conversão atual), sendo US$ 5,5 milhões de equity e US$ 4,5 milhões de dívida.

O aporte foi liderado pelo Fundo de Venture Capital do Vale do Silício, NFX e também pela Canary, com participação dos fundos BigBets e Clocktowers Ventures.

Com a rodada, os planos da UME são os de ampliar as regiões de atuação, que hoje focam, sobretudo, no varejo do Norte e Nordeste, seja físico ou online.

Um modelo de negócio que funciona como uma forma digitalizada do popular crediário, que, por muitos anos, foi o principal meio dos brasileiros fazerem compras parceladas.

Assim, através de um software, a UME possibilita que os varejos concedam crédito para alavancar suas vendas e assume todo o relacionamento com o cliente final, inclusive o risco de crédito, fraude e o processo de cobrança.

A análise pode ser feita em poucos minutos através do app UME ou nas lojas parceiras, tendo apenas a necessidade de um celular e um documento com foto.

Por meio de uma inteligência artificial, o sistema cruza dados com base no comportamento do consumidor, podendo conceder crédito também a negativados - cerca de 42% da base estão nessa categoria.

Para 2022, a startup, que hoje possui cerca de 40 mil cadastrados e já faturou próximo de R$ 500 milhões, pretende chegar na marca de 1 milhão de transações e 220 mil usuários.