Tecnologia

Chinês declara-se culpado por roubar software de US$100 mi

Software sofisticado foi roubado de cerca de 200 fabricantes norte-americanos e vendido a 325 compradores no mercado negro em 61 países de 2008 a 2011


	Vítimas corporativas no caso incluem Microsoft, Oracle, Rockwell Automation, Agilent Technologies, Siemens, Delcam, Altera e SAP

Vítimas corporativas no caso incluem Microsoft, Oracle, Rockwell Automation, Agilent Technologies, Siemens, Delcam, Altera e SAP

DR

Da Redação

Publicado em 8 de janeiro de 2013 às 12h35.

Wilmington - Em um caso que autoridades norte-americanas dizem ser o primeiro do seu tipo, um empresário chinês declarou-se culpado na segunda-feira de vender um software roubado dos Estados Unidos usado em defesa, engenharia e tecnologia espacial, programas que os promotores disseram ter um valor de varejo de 100 milhões de dólares.

O software sofisticado foi roubado de cerca de 200 fabricantes norte-americanos e vendido a 325 compradores no mercado negro em 61 países de 2008 a 2011, afirmaram os promotores em documentos judiciais. Compradores em 28 Estados dos EUA incluem um engenheiro da NASA e um cientista-chefe de uma empresa de defesa e justiça, segundo os promotores.

As vítimas corporativas no caso incluem Microsoft, Oracle, Rockwell Automation, Agilent Technologies, Siemens, Delcam, Altera e SAP, disse um porta-voz do governo.

As autoridades norte-americanas e o advogado do acusado, Mingli Chen, disse que o caso foi o primeiro no qual um empresário envolvido em pirataria industrial de software foi atraído por agentes infiltrados na China e preso.

O empresário Xiang Li foi preso em junho de 2011, durante uma operação de agentes infiltrados do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos na ilha de Saipan, um território norte-americano perto de Guam.

Acompanhe tudo sobre:CopyrightSoftware

Mais de Tecnologia

Apenas 20% dos CFOs estão satisfeitos com os resultados dos investimentos em tecnologia

Meta negocia comprar 5% da EssilorLuxottica, dona da Ray-Ban que comprou a Supreme, diz WSJ

Meta abre dados do Instagram para estudo do impacto na saúde mental de adolescentes

O que é o Prime Day? Nos EUA, ele deve movimentar US$ 14 bilhões

Mais na Exame