Tecnologia
Acompanhe:

Caixa de som Sony MHC-V7D

A caixa MHC-V7D é um conjunto interessante da Sony, focado naquele usuário que precisa de algo grande e chamativo para manter uma festa rolando, mas ainda precisa de uma caixa que quebre um galho para outros fins. Design A V7D chama atenção. Bastante atenção. A caixa tem 90 cm de altura e exibe com orgulho […]

L
Luccas Franklin

2 de setembro de 2015, 01h00

logo-infolab

A caixa MHC-V7D é um conjunto interessante da Sony, focado naquele usuário que precisa de algo grande e chamativo para manter uma festa rolando, mas ainda precisa de uma caixa que quebre um galho para outros fins.

Design

A V7D chama atenção. Bastante atenção. A caixa tem 90 cm de altura e exibe com orgulho seus cinco falantes. Dois tweeters de 4 cm (com detalhes cromados), duas caixas médias de 12 cm e um subwoofer de 25 cm. As laterais não possuem nenhum tipo de adorno, mas o prata e o preto tomam conta da parte da frente. Quando ligada, LEDs coloridos começam a piscar, o que deixa claro que a Sony acredita que ela será o centro da festa. No topo da caixa é onde ficam todos os seus comandos, incluindo um círculo que permite que se utilize comandos por gestos.

Na parte da frente, acima dos tweeters e do logo da Sony, fica uma coisa levemente anacrônica: um drive de DVD. Ele não chama a atenção, nem pode ser criticado, já que é uma inclusão bem-vinda, mas parece um pouco fora de lugar, por motivos que explicaremos depois.

 

Áudio

Essa é uma caixa alta. Tanto pelo fato de parecer um púlpito, quanto pelo fato de que seu volume atinge níveis ensurdecedores. Foi um dos testes que mais nos rendeu caras feias no INFOlab, já que incomodava jornalistas de outras revistas toda vez que ligado.

A qualidade do áudio não é o forte da V7D, que não deverá agradar audiófilos. O palco sonoro é pequeno, com muitos instrumentos parecendo estar um tanto quanto “amassados” juntos. Os graves, como não poderia deixar de ser, são estrondosos, mas distorcem facilmente, com o volume chegando próximo de 35, de um máximo de 50 níveis. Faz muito bem seu trabalho de caixa de festa, mas não substitui um conjunto estéreo, ainda que menor, para aqueles que se importam mais com a clareza do que com o volume.

Conexões e funcionalidade

Não faltam formas de se conectar à V7D: ela possui duas entradas RCA, duas portas USB e NFC para conexão via Bluetooth, além de possuir duas entradas P10 para microfone na parte de cima. Como o drive frontal é de DVD, a parte de trás da caixa também possui uma saída de vídeo composto para que seja ligado a uma TV. Sim, composto, aquele pré-histórico cabo amarelo que envia uma imagem analógica 480i.

Via USB, é possível tocar músicas em formatos MP3, WMA e AAC, mas a caixa não consegue ler arquivos sem perdas, como FLAC e ALAC, o que é uma pena e cimenta sua vocação para alto volume, não qualidade sonora.

No centro dos controles há um tipo de trackpad circular que responde tanto a comandos de toque, como a gestos sobre ele. No modo “playback”, passar a mão para frente dá play, enquanto passá-la para trás, pausa. É possível aumentar o volume tocando o círculo e fazendo um movimento no sentido horário, ou diminuir no anti-horário, por exemplo.

Também há um “modo DJ”, que introduz alguns efeitos de som, como distorções e isolamento, coisas típicas de DJ. Nesse aspecto, no entanto, a falta de controle e complexidade dos comandos é quase ofensiva para alguém que de fato faça alguma coisa coisa como DJ. Utilizando o app para celular SongPal e seu complemento Fiestable é possível melhorar um pouco o controle sobre essas funções, mas a maior parte delas soa como um brinquedo, mais do que uma ferramenta. Se contarmos ainda uma função que toca um “som de plateia”, e um falso som de disco riscado, isso se torna ainda mais evidente.

Uma coisa particularmente interessante é o "Chain Link", que permite usar a saída de som desta caixa para ligá-la em outra, com as duas funcionando simultaneamente. Isso permite que o som da festa seja ainda mais potente com várias caixas em série.

Vale a pena?

A MHC-V7D é uma caixa imensa que, por 2 500 reais, entrega boas opções de conectividade e qualidade sonora mediana. As funções de DJ são fracas e a leitura de arquivos com compressão sem perdas é impossível, portanto, se estas coisas são importantes para você, a V7D não é sua caixa. Mas a potência de 1200 Watts RMS é enorme e os graves realmente chacoalham o chão. Com o app de smartphone controlando a lista de músicas e as cores dos LEDs, é possível que a caixa seja uma excelente companheira de festas – ainda que uma companheira um tanto quanto cara.

Ficha técnica

Potência (W/RMS) 1200
Conexões P10, RCA, USB, Bluetooth
Dimensões 34 cm x 92,4 cm x 32 cm
Peso 19 Kg

Avaliação técnica

Prós Som potente, tudo em um. Drive de DVD é um extra útil. Entradas e modos de controle variados;
Contras Qualidade de áudio mediana. Recursos para DJ são ruins;
Conclusão Ruim para audiófilos, boa para quem quer dar festas.
ÁUDIO 7,0
COMPATIBILIDADE 7,5
RECURSOS 8,5
CONEXÕES 8,5
Média 7.0
Preço 2500