Taxa de custódia do Tesouro Selic é zerada. O que muda para o investidor

A taxa de custódia será cobrada apenas sobre os valores que excederem R$ 10 mil por investidor

O Tesouro Nacional e a B3 vão zerar a taxa de custódia para os investimentos no Tesouro Selic para investidores que tenham até R$ 10 mil aplicados no título. A tarifa era equivalente a 0,25% ao ano e a mudança entrará em vigor a partir de 1º de agosto.

O cálculo deve ser feito da seguinte forma: enquanto um investidor que tenha R$ 9 mil aplicados em Tesouro Selic ficará totalmente isento de taxa, outro com R$ 11 mil só terá custo referente à taxa de custódia sobre o valor de R$ 1 mil que excede os R$ 10 mil. Caso um investidor tenha R$ 20 mil, por exemplo, pagará taxa referente aos R$ 10 mil excedentes.

A economia com a taxa pode ser de até R$ 25 ao ano. Veja na tabela abaixo quanto o investidor irá deixar de pagar em cinco exemplos:

Investidor Montante Investido no Tesouro Selic
(estoque)
Custo ao ano Taxa efetiva ao ano
(regra anterior)
Taxa efetiva ao ano
(nova regra)
Quanto paga atualmente ao ano? Quanto passará a pagar
Investidor A R$ 5.000,00 R$ 12,50 R$ 0,00 0,25% 0,000%
Investidor B R$ 11.000,00 R$ 27,50 R$ 2,50 0,25% 0,023%
Investidor C R$ 20.000,00 R$ 50,00 R$ 25,00 0,25% 0,125%
Investidor D R$ 30.000,00 R$ 75,00 R$ 50,00 0,25% 0,167%
Investidor E R$ 50.000,00 R$ 125,00 R$ 100,00 0,25% 0,200%

O Tesouro Direto tem hoje quase 1,3 milhão de investidores ativos. Com a zeragem da taxa, um terço deles ficariam completamente isentos de tarifa. Mas, como a medida isenta o pagamento para todos os investidores em Tesouro Selic até o limite de R$ 10 mil em estoque, todos que possuem esse título, e que respondem por 53% da base de investidores ativos do programa, são beneficiados.

Com a queda forte da taxa Selic para a mínima histórica de 2,25% ao ano, a taxa estava deixando o investimento muito caro. A taxa atual, cobrada semestralmente, já estava equivalente a 10% do rendimento atual da taxa Selic. A taxa havia diminuído pela última vez, de 0,30% para 0,25% para todos os títulos, em 1º de janeiro de 2019.

O peso da taxa de custódia sobre o título era tanto que estava valendo mais a pena investir em um fundo DI simples (que aplica toda a carteira no Tesouro Selic) com taxa zero de administração do que diretamente pelo Tesouro Direto.

Contudo, como a zeragem da taxa de custódia tem um limite de R$ 10 mil, Odilon Costa, analista de renda fixa da EXAME Research, pontua que a visão continua valendo para investidores que têm mais de R$ 10 mil aplicados no título. “Considerando que devemos ter uma reserva de emergência equivalente a seis meses de salário, a mudança vale apenas para quem uma reserva de R$ 10 mil. Ou seja, ganhe pouco mais de dois salários mínimos por mês”.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE