O que motivou a corrida maluca no mercado de ações dos EUA?

O que explica a forte alta entre junho e agosto na bolsa americana, para além dos cortes de juros?

Existem algumas piadas circulando em Wall Street para explicar a corrida maluca em direção ao mercado de ações dos Estados Unidos neste verão: por que a grande alta de repente estancou em 2 de setembro? Porque todos os day traders de aplicativos de telefone tiveram de voltar para a escola. Ou talvez porque a temporada da NFL (e as apostas de futebol) estivesse se aproximando.

Não é surpresa que os traders profissionais — dificilmente paradigmas de racionalidade — voltem sua atenção para investidores comuns quando as coisas ficam estranhas. Mas é verdade que parece ter havido algo mais impulsionando a recuperação na era da covid-19 do que cortes de taxas e estímulos governamentais. A ascensão do comércio sem comissões, a facilidade da posse de ações fracionadas e o sombrio e vertiginoso sentimento de que não há nada melhor a fazer alimentaram um novo fascínio público pelo mercado de ações. Os traders de varejo agora respondem por 20% das negociações de ações, ante 15% no ano passado, de acordo com uma análise de Larry Tabb, da Bloomberg Intelligence.

Portanto, talvez o fim do verão e a flexibilização dos bloqueios da pandemia realmente tenham tido algum efeito psicológico, contribuindo para a queda de 5% no S&P 500 desde a recente alta. “Quer você seja professor, dono de restaurante, dono de academia ou até mesmo praticante de esportes, setembro chegou e você provavelmente vai voltar a seu emprego normal”, diz Julian Emanuel, estrategista-chefe de ações e derivativos da corretora BTIG . “Portanto, sua atenção para negociar no mercado, por definição, vai diminuir.”

Em um mercado onde investidores buy-and-hold (que apostam em estratégia de longo prazo) colidem contra um amontoado de fundos hedge, computadores ultrarrápidos e agora um exército de novos traders que estão apenas aprendendo a jogar, há espaço para debate sobre quem está movimentando os preços. Isso também é verdade no que se refere à mais nova obsessão do mercado: o papel das opções de ações.

A negociação desses derivativos explodiu durante o verão nos Estados Unidos, e há razões para acreditar que isso desempenhou importante papel no impulso de ações populares de tecnologia — e os índices de benchmark que dominam — para a estratosfera. Investidores de varejo estavam comprando opções de compra, o que lhes dá o direito de comprar uma ação por determinado preço para determinada data.

Para entender as opções de compra, vamos considerar a Apple, uma ação que custava cerca de 114 dólares em 14 de setembro. Uma das opções de compra mais negociadas da Apple custa apenas 1,29 dólar e permite a seu proprietário que compre uma ação por 120 dólares, conhecida como o preço de “ataque” da opção, até 25 de setembro. Se o preço da ação não chegar a 120 dólares até lá, a opção expira e seu dono perde todo o investimento. Mas grandes ganhos no preço de uma ação podem levar a ganhos ainda maiores no preço das opções — se a Apple subir para 140 dólares até aquela data, a opção que custou 1,29 dólar deve valer em torno de 20 dólares (a diferença entre 120 e 140 dólares). Isso é um ganho de 1.500%, o tipo de retorno de curto prazo surpreendente com que os traders sonham.

Traders de opções não compram ações diretamente — eles fazem apostas paralelas. No entanto ­— e isso é crucial para algumas teorias sobre o que aconteceu neste verão — os ganhos nos preços das opções de compra podem aumentar indiretamente as ações às quais estão vinculados. O aumento dos preços das opções de compra envia uma mensagem de alta sobre a ação. Além disso, os operadores especializados chamados de market makers, que criaram as opções de compra, têm de reagir e comprar as ações. Eles podem ter de cumprir aquele contrato de compra e entregar ações ao dono da opção, de modo que comprarão algumas ações como hedge para garantir que não precisem brigar para comprar mais por um preço mais alto.

“Se um investidor de varejo sai e compra aquela opção de compra da Tesla, estará comprando de um market maker”, disse Benn Eifert, diretor de investimentos do fundo hedge QVR Advisors, ao podcast Odd Lots da Bloomberg. “À medida que se aproxima do ataque, o que vai acontecer então é que o market maker que estava segurando o outro lado dessa posição vai precisar aumentar o tamanho de suas apostas.” Em outras palavras, neste verão eles precisaram comprar mais ações.

Não foram apenas os indivíduos da Robinhood e outras plataformas de corretagem sem comissão que pegaram a febre das opções. Notícias davam conta de que o conglomerado de investimentos japonês SoftBank estava comprando ativamente opções de compra visando às ações de alta tecnologia.

Grandes jogadores, capazes de movimentar mercados com grandes negócios, são conhecidos como “baleias”. A verdadeira baleia nos mercados de opções neste verão, no entanto, não foi o SoftBank, mas a ação coletiva dos pequenos negociadores indivi­duais que geraram uma “enorme quantidade de pressão de compra ‘não natural’ em um punhado de ações”, segundo um relatório da empresa de pesquisa SentimenTrader. Entre as opções de negociações para dez contratos ou menos — uma provável pegada dos negociadores de varejo —, 53% do volume total foi para opções de compra que tinham sido criadas recentemente para atender à demanda, uma alta recorde.

Se a baleia — o SoftBank ou o banco coletivo de pequenos negócios familiares — foi realmente um grande fator, isso pode ser uma boa notícia para o mercado em geral, segundo Michael Purves, diretor executivo da Tallbacken­ Capital Advisors, que fornece pesquisas a investidores institucionais. Embora alguns traders tenham ficado arrasados ​​com a desaceleração da tecnologia que começou em 2 de setembro, esse não é o tipo de perda que provavelmente causará contágio — ou seja, pressão para levantar dinheiro que causa vendas em outros mercados. “Se você está apenas comprando opções, tudo o que pode acontecer é você perder seu prêmio, certo?”, diz Purves.

A ideia de investidores de varejo como a nova baleia é uma com a qual os profissionais terão de se acostumar. Será que eles poderiam ser uma fonte de demanda que levará a avaliações de ações mais altas por mais tempo? Ou criarão mais volatilidade? Eles estão causando espuma em outros ativos exóticos, como empresas de aquisição de propósito específico que buscam cheques em branco de investidores? “Tenho certeza de que a resposta é que isso ampliará as tendências já existentes”, diz Purves. Portanto, não se surpreenda se, em breve, estivermos contando as mesmas piadas novamente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.