• AALR3 R$ 20,22 0.40
  • AAPL34 R$ 66,93 -2.73
  • ABCB4 R$ 16,62 -0.84
  • ABEV3 R$ 14,04 -0.28
  • AERI3 R$ 3,64 -5.94
  • AESB3 R$ 10,62 -3.19
  • AGRO3 R$ 30,76 -0.45
  • ALPA4 R$ 20,54 -1.06
  • ALSO3 R$ 19,09 -1.95
  • ALUP11 R$ 27,14 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,49 -2.18
  • AMER3 R$ 23,04 -4.28
  • AMZO34 R$ 63,85 -2.52
  • ANIM3 R$ 5,33 -3.96
  • ARZZ3 R$ 79,29 -0.28
  • ASAI3 R$ 15,75 -0.76
  • AZUL4 R$ 20,68 -5.83
  • B3SA3 R$ 11,95 -1.24
  • BBAS3 R$ 37,65 -0.83
  • AALR3 R$ 20,22 0.40
  • AAPL34 R$ 66,93 -2.73
  • ABCB4 R$ 16,62 -0.84
  • ABEV3 R$ 14,04 -0.28
  • AERI3 R$ 3,64 -5.94
  • AESB3 R$ 10,62 -3.19
  • AGRO3 R$ 30,76 -0.45
  • ALPA4 R$ 20,54 -1.06
  • ALSO3 R$ 19,09 -1.95
  • ALUP11 R$ 27,14 -0.11
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,49 -2.18
  • AMER3 R$ 23,04 -4.28
  • AMZO34 R$ 63,85 -2.52
  • ANIM3 R$ 5,33 -3.96
  • ARZZ3 R$ 79,29 -0.28
  • ASAI3 R$ 15,75 -0.76
  • AZUL4 R$ 20,68 -5.83
  • B3SA3 R$ 11,95 -1.24
  • BBAS3 R$ 37,65 -0.83
Abra sua conta no BTG

O Brasil precisa de mais fontes de energia

O presidente da GDF Suez, maior geradora de energia do mundo, defende a redução da dependência das usinas hidrelétricas para garantir o abastecimento
Mestrallet: para ele, o Brasil deve mudar a lei para o setor privado investir em energia nuclear (Leandro Fonseca/EXAME)
Mestrallet: para ele, o Brasil deve mudar a lei para o setor privado investir em energia nuclear (Leandro Fonseca/EXAME)
Por Tatiana BautzerPublicado em 29/01/2014 05:00 | Última atualização em 29/01/2014 05:00Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - O Brasil precisa investir em novas maneiras de gerar energia para evitar o risco de racionamentos. Construir alternativas é o objetivo da nova estratégia da francesa GDF Suez no Brasil, diz Gérard ­Mestrallet, presidente mundial do grupo.

Para ele, as novas hidrelétricas têm reservatórios pequenos, que reduzem a segurança do sistema. A seguir, os principais trechos da entrevista concedida por ele durante uma visita ao país.

1) EXAME - Qual a perspectiva para o investidor em infraestrutura no Brasil hoje?

Gérard ­Mestrallet - Nós, pelo menos, não temos do que reclamar. A regulação do setor elétrico é clara para a construção de usinas. Não fomos afetados pela mudança nas concessões que vencerão nos próximos anos porque nossos contratos vão terminar só a partir de 2028. Em nosso caso, as regras são claras e têm sido respeitadas. Por isso, continuamos a investir no país.

2) EXAME - Mas o Brasil não tem um potencial de crescimento muito inferior ao de países da Ásia, por exemplo?

Gérard ­Mestrallet - O Brasil cresceu pouco no ano passado, mas acho que essa é uma situação conjuntural. O país tem crescimento populacional, melhora nos níveis de educação e gera mais empregos qualificados. Tudo isso incentivará taxas de crescimento maiores no futuro.

3) EXAME - Por que a GDF Suez começou a investir em gás natural no Brasil?

Gérard ­Mestrallet - Em outros países, temos grandes operações na área de gás. No Brasil, temos quase só hidrelétricas e queremos ser mais diversificados.

Em novembro, compramos uma participação nos campos da Vale na bacia do Parnaíba e também ganhamos seis blocos no Recôncavo Baiano no leilão da ANP. A ideia é construir usinas termelétricas onde houver gás e montar uma operação integrada.

4) EXAME - Qual a lógica desse investimento?

Gérard ­Mestrallet - O Brasil vai precisar de diversificação de suas fontes de energia. Não é possível mais confiar apenas nas hidrelétricas, que agora têm reservatórios menores e vão depender muito mais das chuvas e do fluxo dos rios. É preciso ter uma margem de segurança maior.

5) EXAME - Que outras fontes poderiam ser usadas?

Gérard ­Mestrallet - As renováveis são interessantes, mas é preciso lembrar que a energia solar e a energia eólica são fontes intermitentes. A geração nuclear seria uma alternativa.

6) EXAME - O governo brasileiro tem intenção de retomar o investimento em usinas nucleares?

Gérard ­Mestrallet - Um bom sinal foi a decisão de terminar a construção da Angra 3. Se houver uma decisão favorável sobre novas usinas além da Angra 3, estamos muito interessados em participar. Temos um acordo com a estatal brasileira Eletronuclear há quatro anos e experiência na área.

Controlamos usinas nucleares na Bélgica e ganhamos, na Turquia, a única concorrência internacional para novas usinas realizada desde o acidente no Japão.

7) EXAME - Mas como, se a Constituição determina que as usinas nucleares são monopólio do Estado no Brasil?

Gérard ­Mestrallet - Queremos investir na condição de controladores, como somos no projeto das quatro usinas que ganhamos na Turquia. Hoje, com as restrições legais, isso não é possível no Brasil. Acho que o governo deveria considerar uma mudança para incentivar o investimento privado.