Por que cada vez mais empresas investem em tokens

Do investimento em imóveis à compra de vinhos, cada vez mais empresas testam o modelo — uma espécie de “ficha” digital que representa ativos reais
 (Bruno Faiotto/Exame)
(Bruno Faiotto/Exame)
L
Laura PanciniPublicado em 11/03/2021 às 05:49.

Jogadores de pôquer já conhecem este modelo na prática. Os tokens são a representação digitalizada de um ativo do mundo real, como as fichas que simbolizam o valor apostado no jogo. Eles começaram a crescer em 2017 e eram voltados inicialmente para a captação de recursos para projetos em blockchain (a rede que garante as transações de moedas digitais).

Inovação abre um mundo de oportunidades para empresas dos mais variados setores. Veja como, no curso Inovação na Prática

A diferença deles para os criptoativos como o bitcoin, que têm sua própria rede, é que os tokens podem ser registrados em redes blockchain de terceiros. Isso possibilita levar os tokens a mais empresas de diferentes setores, o que não seria possível — nem seguro — se cada uma delas precisasse desenvolver o próprio blockchain.

Os tokens costumam ser vendidos pelo emissor em seu site, mas em alguns casos são comprados em plataformas especializadas, como Nifty e OpenSea. As possibilidades são incalculáveis. Com os tokens, a tecnologia blockchain ultrapassa a barreira do digital, torna as vendas de ativos mais eficientes, seguras e ágeis, e, claro, reduz custos e aumenta receitas.

Seja para fracionar ativos de investimento, seja para criar artigos digitais colecionáveis, os tokens (ou o processo de “tokenização”) têm o potencial de virar de cabeça para baixo o mercado financeiro.

(Bruno Faiotto/Exame)