Pop

'Oppenheimer' supera 'Bohemian Rhapsody' como maior biografia em bilheteria

Filme de Christopher Nolan teve custo de US$ 100 milhões, enquanto a cinebiografia de Freddie Mercury custou US$ 55 milhões

"Oppenheimer": filme é protagonizado por Cillian Murphy (Oppenheimer/ Universal/Divulgação)

"Oppenheimer": filme é protagonizado por Cillian Murphy (Oppenheimer/ Universal/Divulgação)

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 18 de setembro de 2023 às 15h55.

Última atualização em 18 de setembro de 2023 às 16h26.

Dois meses após sua estreia, "Oppenheimer" continua dando o que falar, desta vez, por se tornar a maior cinebiografia de todos os tempos em cartaz.

Dirigido por Christopher Nolan, o longa arrecadou US$ 992 milhões em bilheterias ao redor do mundo, batendo o recorde de "Bohemian Rhapsody", até então na liderança na categoria, com US$ 910 milhões.

Fique por dentro das últimas notícias no Telegram da Exame. Inscreva-se gratuitamente  

Por outro lado, a vantagem é diferente em relação ao custo de produção. Em "Oppenheimer", a Universal Pictures teve um orçamento de aproximadamente US$ 100 milhões. No entanto, a cinebiografia de Freddie Mercury foi duas vezes mais barato, em torno de US$ 55 milhões.

"Oppenheimer" é considerado o maior filme da carreira do diretor Christopher Nolan nas bilheterias dos Estados Unidos, desconsiderando a trilogia "Batman".

A história da bomba atômica

O filme retrata a história do físico J. Robert Oppenheimer, que liderou uma equipe de cientistas em um projeto secreto para o desenvolvimento da primeira bomba atômica dos EUA, durante os momentos finais da Segunda Guerra Mundial.

O longa é estrelado por Cillian Murphy e conta também com Emily Blunt, Matt Damon, Robert Downey Jr. e Florence Pugh.

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:Cinema

Mais de Pop

Netflix pode ser processada em US$ 170 milhões por causa de cinco palavras

Dia da Língua Portuguesa: qual é a maior palavra que temos no dicionário?

Quantos países falam português no mundo além do Brasil?

Menos coloridos e ainda ousados: Restart quer eternizar legado com turnê de despedida

Mais na Exame