• AALR3 R$ 19,80 0.56
  • AAPL34 R$ 70,88 -3.43
  • ABCB4 R$ 16,47 -2.72
  • ABEV3 R$ 14,37 -2.44
  • AERI3 R$ 3,80 -2.31
  • AESB3 R$ 10,71 -0.93
  • AGRO3 R$ 30,87 -2.43
  • ALPA4 R$ 20,90 -2.75
  • ALSO3 R$ 19,25 -4.32
  • ALUP11 R$ 26,55 0.72
  • AMAR3 R$ 2,32 -4.92
  • AMBP3 R$ 30,69 1.25
  • AMER3 R$ 22,83 -0.83
  • AMZO34 R$ 68,47 -5.35
  • ANIM3 R$ 5,46 -4.38
  • ARZZ3 R$ 81,63 -1.38
  • ASAI3 R$ 15,46 -2.34
  • AZUL4 R$ 21,31 -3.97
  • B3SA3 R$ 11,59 -2.61
  • BBAS3 R$ 36,03 -1.10
  • AALR3 R$ 19,80 0.56
  • AAPL34 R$ 70,88 -3.43
  • ABCB4 R$ 16,47 -2.72
  • ABEV3 R$ 14,37 -2.44
  • AERI3 R$ 3,80 -2.31
  • AESB3 R$ 10,71 -0.93
  • AGRO3 R$ 30,87 -2.43
  • ALPA4 R$ 20,90 -2.75
  • ALSO3 R$ 19,25 -4.32
  • ALUP11 R$ 26,55 0.72
  • AMAR3 R$ 2,32 -4.92
  • AMBP3 R$ 30,69 1.25
  • AMER3 R$ 22,83 -0.83
  • AMZO34 R$ 68,47 -5.35
  • ANIM3 R$ 5,46 -4.38
  • ARZZ3 R$ 81,63 -1.38
  • ASAI3 R$ 15,46 -2.34
  • AZUL4 R$ 21,31 -3.97
  • B3SA3 R$ 11,59 -2.61
  • BBAS3 R$ 36,03 -1.10
Abra sua conta no BTG

Empreender é todo dia um 7 a 1, diz co-fundadora do Nubank

Cristina Junqueira falou ao site de EXAME sobre como é administrar um negócio e quais os próximos passos da empresa do cartão “roxinho.”
 (Divulgação/Nubank)
(Divulgação/Nubank)
Por Mariana FonsecaPublicado em 31/10/2017 06:00 | Última atualização em 06/11/2017 10:45Tempo de Leitura: 6 min de leitura

São Paulo – Mesmo quem não conhece a fundo o mundo das startups provavelmente já ouviu falar do Nubank: criado há apenas quatro anos, o negócio surgiu com a proposta de empreender no complexo ramo das instituições financeiras. Para isso, criou um cartão de crédito 100% digital.

De lá para cá, a startup já recebeu 13 milhões de pedidos pelo cartão “roxinho”. Com 2,5 milhões de clientes na carteira e uma captação de quase 180 milhões de dólares (na cotação atual, cerca de 587 milhões de reais), o Nubank recentemente anunciou outro passo ousado: a criação de sua própria conta digital.

A NuConta é uma conta de pagamentos, e por lei todo dinheiro é depositado em nome do cliente e investido em títulos públicos, como as LFTs. Um pedaço desses ganhos – cerca de 1% sobre o rendimento - será retirado para pagar os custos operacionais da NuConta.

Cristina Junqueira, co-fundadora e vice-presidente de branding e desenvolvimento de negócios do Nubank, falou a empreendedores durante o Scale-Up Summit 2017, evento organizado pela Endeavor que ocorreu em São Paulo.

Em entrevista exclusiva ao site de EXAME durante o evento, Junqueira falou mais sobre como é empreender no Brasil, como foi o processo de ideação da NuConta e como os empreendedores devem se relacionar com investidores. Ela também respondeu se o Nubank se preocupa com termos como “lucro” e “unicórnio.”

“Uma vez eu estava conversando com amigos do MBA e falei para eles: ‘todo dia a gente apanha. Eu só espero que eu esteja mais batendo do que apanhando’. Todo dia é um sete a um diferente.”

Confira, a seguir, os principais trechos da entrevista:

EXAME – Como é empreender no Brasil, especialmente em um setor tão complexo?

Cristina Junqueira – É muito difícil. Nos eventos, parece tudo muito glamoroso e legal: só escutamos as histórias de sucesso. Todo mundo vê os dois ou três que deram certo, mas não aqueles milhares que não deram.

A burocracia é pesada, fora todos os aspectos fiscais e trabalhistas. A regulação é complicada também, ainda mais no setor financeiro – nós já somos uma instituição regulada e passamos por tudo isso. Tem uma complexidade grande, com muitos fatores para atrapalhar.

Uma vez eu estava conversando com amigos do MBA e falei para eles: “todo dia a gente apanha. Eu só espero que eu esteja mais batendo do que apanhando”. Todo dia é um sete a um diferente.

Empreender não é para todo mundo. Você precisa ter muito conforto com ambiguidade e risco, além de ter muita resiliência e paciência, porque vai levar muito desaforo. Caso contrário, você não sobrevive.

EXAME – Falando um pouco mais sobre a NuConta, a novidade mais recente do Nubank. Como surgiu essa iniciativa? Desde quando ela está em ideação?

Os clientes pedem a NuConta faz muito tempo, desde quando provaram o cartão de crédito e sentiram a diferença na experiência. Perguntavam quando teríamos uma conta, falavam que queriam sair do banco A, B ou C.

Na nossa cabeça, a direção sempre foi essa. Escolhemos começar com cartão de crédito para construir essa confiança com o consumidor. O cartão de crédito é um produto bacana para isso, porque o risco fica conosco. Se você não quiser mais pagar, você é que cancela o cartão, quebra ou simplesmente não paga.

Foi assim que o Nubank nasceu, E isso é muito diferente de começar já falando para o cliente confiar em você, colocar o dinheiro dele na sua conta. Foi uma jornada de construir um primeiro produto e uma marca, mostrando que a gente consegue atender milhões de clientes. Só então temos o direito de oferecer um outro produto como a NuConta. A gente quer merecer os nossos clientes, e não parecer que estamos dando um favor a eles.

EXAME – Com a chegada da NuConta, vocês continuam naquele plano de crescer em usuários ou já pensam mais em monetização?

A gente desenhou a NuConta para ser um produto de acesso. O nosso objetivo não é ganhar dinheiro com ela, e sim dar acesso para milhões, talvez dezenas de milhões de clientes que querem se livrar da dor de serem mal atendidos – e às vezes nem atendidos serem – pelos grandes bancos.

A gente tem um modelo de negócios sustentável com nosso cartão de crédito. No futuro, teremos outros produtos financeiros.

EXAME – Há alguma expectativa de número de usuários da NuConta?

Nunca a gente trabalhou com grandes metas. Temos apenas algumas noções. Quando a gente começou o Nubank, pensamos quão legal seria chegar a um milhão de clientes em cinco anos. Batemos esse número com dois anos de negócio.

A gente não sabe o que esperar, porque acabamos de anunciar e estamos colocando para dentro nossos primeiros clientes em fase beta. Pode ser que, em três tempos, tenhamos milhões de clientes. Pode ser que demore mais. Mas a ideia é que esse seja um produto para muita gente.

EXAME – Há alguma previsão de quando o Nubank começará a apresentar lucro? Isso é uma preocupação dos investidores?

A gente nem sequer está preocupada com isso. Estamos gerando caixa e margem de contribuição positiva hoje. Mas enquanto a gente atrair clientes rentáveis – que vão, inicialmente, consumir um pouco do rendimento –, continuaremos fazendo isso. Nosso objetivo não é ganhar dinheiro no curto prazo.

Ainda bem que nós temos investidores que pensam no longo prazo, que têm uma cabeça do Vale do Silício e entendem que é muito mais importante você construir um modelo de negócios sustentável e crescer quando a oportunidade está lá do que apenas gerar lucro rápido.

Não deve demorar muito [para dar lucro], mas, se tivermos a oportunidade de crescer, que atrase! É bom se tivermos mais oportunidades de captar clientes e continuar nosso crescimento.

EXAME – Vocês pretendem virar um unicórnio (startup avaliada em mais de um bilhão de dólares)? Se sim, quando?

Claro que é bacana termos uma empresa bem avaliada pelos investidores. Isso significa que estamos fazendo as coisas certas: ter um bom modelo de negócios, com produto e clientes.

Porém, o mercado às vezes olha as startups e mede o sucesso delas em termos de dinheiro captado e rodadas de investimento. Sucesso é você não precisar de investimento! Claro que a gente está trabalhando para maximizar o valor do Nubank, mas lindo mesmo seria não precisar de capital. De quanto menos dinheiro a gente precisar, melhor.

Veja Também

Aprenda a investir em fundos imobiliários no maior evento do setor
Onde Investir
Há 23 horas • 4 min de leitura

Aprenda a investir em fundos imobiliários no maior evento do setor

Uma startup de 11 anos e a marca pelo produto
Um conteúdo Bússola
Há um dia • 5 min de leitura

Uma startup de 11 anos e a marca pelo produto