• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Rappi cria botão contra violência doméstica em ação com advogadas

Aplicativo de entregas se une ao projeto Justiceiras, criado pela promotora Gabriela Manssur, para auxiliar vítimas de agressão durante a quarentena
Rappi: botão "SOS Justiceiras" está disponível no aplicativo (Divulgação/Marcos Joel Reis/Rappi)
Rappi: botão "SOS Justiceiras" está disponível no aplicativo (Divulgação/Marcos Joel Reis/Rappi)
Por Clara CerioniPublicado em 05/05/2020 14:50 | Última atualização em 06/05/2020 09:24Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Durante o isolamento social, as mulheres enfrentam uma dupla epidemia: a do novo coronavírus e a da violência doméstica, que no período de quarentena se intensificou no Brasil.

Só em São Paulo, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, os atendimentos da Polícia Militar a mulheres vítimas de violência aumentaram 44,9%, saltando de 6.775 em março de 2019 para 9.817 em março deste ano. No Rio Grande do Norte, as agressões subiram 34,1% e as ameaças às mulheres, 54,3%.

Esse trágico cenário levou a Rappi a fechar uma parceria com o projeto Justiceiras, criado no início da pandemia pela promotora de justiça, especialista no combate à violência contra a mulher, Gabriela Manssur, que já conta com 2 mil profissionais da área jurídica, psicológica, saúde e assistência social.

Só em março, o projeto identificou que foram decretadas 2.500 medidas protetivas em caráter de urgência em São Paulo, contra 1.934 em fevereiro.

A iniciativa da Rappi, antecipada à EXAME, consiste na criação de um botão de socorro no aplicativo, o "SOS Justiceiras", que já está disponível. Qualquer mulher em situação de vulnerabilidade pode acioná-lo para receber apoio das profissionais.

“Diante de uma agressão, o que fazer? Quem procurar? Para quais locais a vítima deve se dirigir? É possível pedir ajuda sem sair de casa?", questiona a promotora Gabriela Manssur. "Estas e outras perguntas são respondidas pelas justiceiras. Elas estão a postos para informar e, principalmente, apoiar e empoderar essas mulheres que chegam em situação de violência doméstica", completa.

A vítima de violência que acionar o botão será direcionada para um formulário simples de triagem, para que as integrantes do justiceiras entendam sua situação. Em seguida, uma das voluntárias do projeto entrará em contato com a mulher, via Whatsapp, para dar início às conversas.

A campanha, que foi idealizada pela AlmapBBDO, também levanta a #NãoÉSóDenunciar, com o objetivo de mostrar que há uma série de processos que uma vítima de violência doméstica enfrenta. 

(Rappi/Divulgação)