Com “álcool gel” seguro para pets, esta empresa cresce 250% ao mês

Para evitar que os animais se intoxicassem com álcool gel durante a pandemia, a CatMyPet decidiu criar uma versão pet friendly do antisséptico

A pandemia de coronavírus tornou o álcool gel um item indispensável. Tentando se proteger do vírus, os brasileiros incorporaram o produto em suas rotinas. O problema é que muitos acabaram aplicando o antisséptico também nas patas de seus cães e gatos. Como esses animais se lambem muito, a prática acabou intoxicando alguns bichinhos.

Ao se deparar com relatos de veterinários sobre a intoxicação por álcool gel, a empreendedora Agnes Cristina, dona da marca de produtos para gatos CatMyPet, decidiu encontrar uma alternativa segura para a higienização das patas dos pets. Em um mês, uma equipe de veterinários, farmacêuticos e químicos conseguiu criar um produto em gel seguro para ser utilizado pelos tutores e animais.

A empresa usa um germicida não alcoólico, semelhante ao encontrado em enxaguantes bucais, para que os animais não tenham problema ao lamber as patas. Além do “álcool gel” para patinhas, a empresa também criou um desinfetante pet friendly para a casa e outro para as mãos dos donos de cachorros e gatos. Eles custam 39,90 reais e estão presentes em cerca de 2.000 pontos de venda pelo país.

O novo produto, lançado no começo de maio, alavancou o crescimento da empresa. Em março, a CatMyPet sentiu uma redução de 50% nas suas vendas, segundo Agnes. Em abril, a companhia conseguiu retornar ao patamar anterior e, com a chegada do Alcat, teve um aumento de receita. Em maio o faturamento dobrou em relação ao mês anterior. Em junho, o crescimento foi de 250%, resultando em 630.000 reais em vendas. 

O produto também ajudou a expandir a presença da marca em outros pontos de venda, já que ele pode atender tanto gatos como cachorros. Até então, a companhia tinha seu portfólio voltado para felinos. Os carros chefes eram um bebedouro para gatos, um spray que os ensina a não arranhar móveis e um produto para banho seco.

“O Alcat acabou puxando para cima a venda de todos os outros produtos conforme a gente foi abrindo novos pontos de venda”, diz a proprietária da empresa. A projeção é que o negócio, que faturou 4 milhões de reais em 2019, chegue ao patamar de 10 milhões em 2020.

Mas seria a chegada da vacina o fim da nova linha de negócio? Agnes acredita que não. Ela está confiante de que os consumidores vão manter os hábitos de higiene mesmo após o fim da pandemia. “É um produto perene, vai permanecer como um bom higienizador de patas”, diz a empresária. 

 

 

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE