Após provocações à Tesla, Volkswagen apresenta bons resultados financeiros

Com foco nos elétricos, grupo alemão promete vender 1 milhão veículos livres de emissões em 2021

Mudança: Volkswagen espera vender 1 milhão de elétricos em 2021

Mudança: Volkswagen espera vender 1 milhão de elétricos em 2021 (Volkswagen/Divulgação)

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia. 

O grupo Volkswagen faturou 62 bilhões de euros no primeiro trimestre deste ano, ainda marcado pela recuperação da economia global em meio à pandemia do novo coronavírus.

É um resultado bem acima do registrado no mesmo período do ano passado, quando a pandemia ainda não estava com força total no principais mercados onde a montadora está presente. Na época a Volkswagen teve receitas de 55 bilhões de euros.

A lucratividade também aumentou na montadora alemã. No primeiro trimestre de 2021, a Volkswagen reportou lucro antes do pagamento de impostos (Ebitda) de 4,5 bilhões de euros, quase cinco vezes mais do que o registrado no mesmo período do ano passado: 700 milhões de euros.

Em 2020, a empresa alemã perdeu o posto de maior fabricante de veículos do mundo (que passou à Toyota) e concentrou esforços para se tornar o principal produtor de carros elétricos até 2025.

Para cumprir essa promessa, a companhia já anunciou a construção de seis fábricas para baterias com capacidade de 240 gigawatts (GW), suficiente para atender à frota eletrificada que deverá crescer mais de 60% nos próximos dez anos. E, no mês de abril, o SUV ID.4 faturou o prêmio de Carro do Ano 2021, que indica a melhor escolha entre modelos vendidos no mercado europeu.

As melhores oportunidades podem estar nas empresas que fazem a diferença no mundo. Veja como com a EXAME Invest Pro

“Com relação à eletrificação, entendo que a evolução tem acelerado. Mas a velocidade de crescimento será mais moderada, uma vez que os investimentos em infraestrutura necessários para suportar esse aumento na participação são muito altos e possíveis apenas para países desenvolvidos. Eletrificar um veículo do segmento B, que representa mais de 40% do mercado mundial, ainda não será viável a curto prazo. E, na China e na Europa, os incentivos chegam a 25% do valor total, o que também não é viável”, afirma Paulo Cardamone, diretor executivo da consultoria Bright Consulting.

De qualquer forma, os planos do grupo Volkswagene as provocações frente à rival Teslaanimaram os investidores, já que as ações comuns chegaram a disparar 80% neste ano. Segundo as previsões da empresa, devem ser comercializados 1 milhão de veículos puramente elétricos (o que exclui os híbridos da contagem) até o fim de 2021, caso não faltem componentes eletrônicos.

No ano passado, durante a crise provocada pela Covid-19, os alemães comercializaram 9,31 milhões de unidades em todo o mundo, o que significa uma redução de 15% em relação a 2019 – já a rival Toyota vendeu 9,53 milhões de veículos. Esse resultado foi pior para a vice-líder por conta da dependência no mercado europeu, que, só em 2020, encolheu 24% nas vendas de automóveis.

“O mercado global deverá atingir ao redor de 85 milhões de veículos leves em 2021, ou seja 10% acima dos 77 milhões comercializados no ano passado. Se olharmos num horizonte de cinco anos [2026/2027], globalmente falando, os volumes devem apontar para os 100 milhões que estavam previstos para 2020. Portanto, os mercados tendem a voltar às projeções pré-2018”, diz Cardamone.

Como fruto dessa nova fase, o grupo Volkswagen já não diz mirar a disputa pela liderança nas vendas, o que é um bom sinal e garante mais estabilidade com veículos de maior valor agregado. Considerando as demais marcas da empresa, como Audi e Porsche, também foram apresentadas novidades eletrificadas para segmentos mais caros – ou seja, as linhas e-tron e Taycan, respectivamente.

Mais que preferência do mercado, os próprios países já anunciaram iniciativas para proibir a venda de veículos à combustão, como é o caso do Reino Unido, que deverá banir opções a gasolina e diesel até 2030. Já a "Estratégia de Mobilidade Sustentável e Inteligente", da Comissão Europeia, planeja colocar nas ruas 30 milhões de veículos livres de emissões nas próximas duas décadas.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais. 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.