Negócios

Vendas de vinho podem crescer até 20% com selo de controle

A partir de novembro, selo para impedir comércio ilegal no setor vinícola será obrigatório

Estima-se que 15 milhões de litros de vinho sem origem conhecida estão em comercialização (.)

Estima-se que 15 milhões de litros de vinho sem origem conhecida estão em comercialização (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h42.

Bento Gonçalves (RS) - O setor vinícola espera um aumento de pelo menos 20% nas vendas de bebidas nacionais no próximo ano com a aplicação do selo de controle instituído pela Receita Federal para combater o comércio ilegal de vinhos. A avaliação é do presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Júlio Fante.

O Ibravin estima que estão em comercialização cerca de 15 milhões de litros de vinho sem origem conhecida, sendo as fraudes mais comuns a falsificação e o contrabando. A partir de novembro deste ano, quando o selo passa a ser obrigatório para os vinhos e espumantes, a expectativa é de que o consumidor identifique as garrafas comercializadas legalmente.

"Pedimos o selo de controle fiscal por mais de cinco anos. Temos problemas com a concorrência de vinhos importados que entram no país de forma ilegal e as falsificações. O volume é bastante expressivo pela tamanho da fronteira seca do Brasil", afirmou o presidente do Ibravin.
 
A aplicação dos selos, que serão fabricados pela Casa da Moeda, não devem trazer aumento de custos para o setor. Cada unidade custará R$ 0,02 e ainda poderá ser descontada de impostos federais. De acordo com Fante, nas grandes empresas a aplicação será automatizada, mas pode gerar um pouco mais de gastos para os pequenos produtores.

"O custo do selo é praticamente nulo. Existirá um gasto de aplicação sim, mas que também é pequeno diante da melhora na situação do mercado, da valorização dos produtos fabricados genuinamente e das empresas honestas", disse o presidente do Ibravin.

O presidente da Cooperativa Vinícola Garibaldi, representante de pequenos produtores do município gaúcho, explica que os custos são pequenos diante dos benefícios. De acordo com Oscar Ló, algumas empresas deverão contratar mais pessoas para fazer a rotulagem, mas, no geral, os selos serão aplicados junto com os rótulos, de maneira manual.

"Poderia ser um transtorno, mas é uma forma mais prática de controlar a produção e a comercialização", afirmou. "Com o selo, o consumidor vai poder olhar na prateleira e dizer se o produto entrou no país legalmente e que não é uma mistura barata", completou.

Acompanhe tudo sobre:bebidas-alcoolicascomida-e-bebidaFiscalizaçãoVendasVinhos

Mais de Negócios

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Investida do bilionário Bernard Arnault, startup faz sucesso usando IA para evitar furtos no Brasil

Riverwood Capital investe R$ 126 mi e quer levar startup mineira de gestão de contratos ao mundo

Oxxo por delivery: rede de "mercadinhos de bairro" anuncia parceria com o Rappi

Mais na Exame