Toyota e Volkswagen suspendem suas operações na Rússia

Na terça e quarta, os fabricantes BMW e Mercedes-Benz também anunciaram a cessação das exportações e da produção local.
 (Alexander Koerner / Correspondente/Getty Images)
(Alexander Koerner / Correspondente/Getty Images)
Por AFPPublicado em 03/03/2022 11:10 | Última atualização em 03/03/2022 11:10Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Os dois maiores grupos automotivos do mundo, Toyota e Volkswagen, anunciaram nesta quinta-feira (3) a suspensão de sua produção na Rússia, devido às repercussões da guerra na Ucrânia.

A fabricante japonesa interromperá a produção a partir de sexta-feira (4), "até novo aviso", bem como suas importações, citando "interrupções na cadeia de suprimentos" ligadas ao conflito russo-ucraniano.
A Volkswagen vai "parar as exportações para a Rússia com efeito imediato", disse um porta-voz, acrescentando que as entregas aos revendedores já foram interrompidas.

Em 2020, essas exportações representaram 220.000 unidades, o equivalente a 2,4% das vendas.
O grupo também fechará, "até novo aviso", suas instalações em Kaluga e em Nizhny Novgorod, nas quais emprega cerca de 4.000 pessoas. Estes funcionários ficarão em situação de desemprego parcial.

A Volkswagen já teve de interromper sua produção, temporariamente, em vários locais na Alemanha, devido à falta de suprimentos de fornecedores da Ucrânia.

A fábrica da Toyota em São Petersburgo produziu 80.000 veículos no ano passado, principalmente para o mercado local, e emprega "cerca de 2.600 pessoas", disse à AFP uma porta-voz da Toyota, cujas vendas na Rússia são marginais.

As "interrupções na cadeia de fornecimento" mencionadas pelo grupo em um comunicado de imprensa estão ligadas à invasão da Ucrânia pela Rússia e às sanções internacionais que desde então recaem sobre Moscou, confirmou esta porta-voz. "Outras operações de produção e vendas no restante da Europa não são afetadas", esclareceu o grupo.

Na terça e quarta, os fabricantes BMW e Mercedes-Benz anunciaram a cessação das exportações e da produção local. A maior fabricante de caminhões do mundo, a Daimler Truck, encerrou sua colaboração com a montadora russa Kamaz, que também abastece o Exército russo.

Outras montadoras japonesas também suspenderam, ou reduziram, as operações na Rússia, mas sua exposição a esse mercado é limitada.

Mazda e Honda

A Mazda deixará, assim, de enviar peças para sua fábrica de Vladivostok, no Extremo-Oriente russo, que opera com a empresa local Sollers. "A situação está mudando diariamente, e as incertezas e riscos para os nossos negócios estão aumentando", explicou um porta-voz do grupo à AFP nesta quinta-feira.

No ano passado, a Mazda vendeu 29.000 veículos na Rússia, por meio de sua joint venture com a Sollers.
"Todas as exportações de produtos Honda para a Rússia foram suspensas até novo aviso", disse à AFP uma porta-voz da outra montadora japonesa, citando os "desafios" impostos à logística e as sanções financeiras internacionais contra Moscou. A Honda exportou, no entanto, apenas 3.000 carros e motocicletas para o país no ano passado, onde não tem fábrica.

Uma porta-voz da Nissan, que tem uma fábrica em São Petersburgo que produziu 45.000 veículos em 2021, disse à AFP nesta quinta que a produção continua por enquanto. Dependendo da evolução da oferta e do impacto das sanções contra a Rússia, a Mitsubishi Motors, que opera uma fábrica perto de Moscou com a gigante franco-ítalo-americana Stellantis, não descarta suspender sua produção e vendas no país, onde vendeu 21.000 veículos no ano passado, disse um porta-voz da marca à AFP.

VEJA TAMBÉM:

Guerra na Ucrânia: bares trocam nome do ‘Moscow Mule’ e jogam vodka fora

Rússia toma Kherson e amplia ataques contra civis em Kiev e Kharkiv

Rússia não tem como usar cripto para driblar sanções, dizem especialistas

Por que Putin já perdeu essa guerra, segundo Yuval Harari

Presidenciáveis cobram posição do governo em defesa da Ucrânia

Brasil decide evacuar embaixada na Ucrânia